02:01 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    181741
    Nos siga no

    Nesta terça-feira (21), o presidente brasileiro Jair Bolsonaro discursou no primeiro dia de debates da 76ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

    Em seu discurso, Bolsonaro tocou em vários assuntos, incluindo a preservação ambiental, investimento privado, questão dos refugiados, COVID-19 e vacinação.

    O presidente apresentou aos participantes da Assembleia o "novo Brasil com sua credibilidade já recuperada ante o mundo".

    Brasil tem tudo para os investidores

    Bolsonaro falou do investimento privado. São mais de US$ 6 bilhões (R$ 31 bilhões) em contratos privados para novas ferrovias. Em poucos dias, o Brasil receberá 14 requerimentos de autorizações para novas ferrovias, quase US$ 15 bilhões (R$ 79 bilhões) de investimentos privados.

    "O Brasil possui o maior programa de parceria de investimentos com a iniciativa privada de sua história. Programa que já é uma realidade e está em franca execução", conforme Bolsonaro.

    Segundo Bolsonaro, o Brasil tem tudo o necessário para um investidor: grande mercado consumidor, excelentes serviços, tradição de respeito por contratos e confiança no governo.

    Proteção ambiental

    Quanto à proteção ambiental, uma das prioridades do Brasil é reduzir o desmatamento ilegal, tratar os resíduos e desenvolver as fontes de energia renováveis, disse o presidente.

    "Antecipamos, de 2060 para 2050, o objetivo de alcançar a neutralidade climática. Os recursos humanos e financeiros, destinados ao fortalecimento dos órgãos ambientais, foram dobrados, com vista a zerar o desmatamento ilegal", revelou Bolsonaro.

    O presidente informou sobre uma redução de 32% do desmatamento na Amazônia no mês de agosto, em comparação com agosto do ano anterior.

    Questão dos refugiados

    O presidente falou da chegada de refugiados, que vêm principalmente da Venezuela por causa da crise, tendo o país já recebido 400 mil venezuelanos.

    "O futuro do Afeganistão também nos causa profunda apreensão", disse Bolsonaro, adicionando que o Brasil concede vistos humanitários para os refugiados afegãos.

    Vacinação no país

    Bolsonaro afirmou que o governo apoia a vacinação e destacou que 90% dos adultos já recebeu pelo menos uma dose da vacina. A população indígena também está vacinada.

    "Apoiamos a vacinação, contudo o nosso governo tem se posicionado contrário ao passaporte sanitário ou a qualquer obrigação relacionada à vacina", segundo o presidente.

    Bolsonaro concluiu seu discurso lembrando o Dia da Independência, quando os brasileiros "de forma pacífica e patriótica, foram às ruas na maior manifestação de nossa história".

    Representantes de mais de 100 países participam do evento neste ano, de forma presencial, em Nova York. Conforme uma tradição que se mantém desde 1955, o representante do Brasil faz o primeiro discurso na Assembleia.

    Além de Bolsonaro, no primeiro dia vão falar o presidente dos EUA, Joe Biden, o presidente da Colômbia, Iván Duque, o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, o presidente do Chile, Sebastián Piñera, o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan e o presidente da China, Xi Jinping, entre outros.

    Mais:

    Integrante da comitiva que acompanha presidente Bolsonaro em Nova York está com COVID-19, diz mídia
    Moscou: aliança AUKUS coloca em risco toda arquitetura de segurança na Ásia
    Lista dos mais influentes: Bolsonaro está 'no contrapé do cenário internacional', avalia professor
    ONU alerta sobre risco de nova Guerra Fria 'mais perigosa e difícil de lidar' entre China e EUA
    Tags:
    Brasil, Jair Bolsonaro, ONU, Assembleia Geral da ONU, discurso, COVID-19, desmatamento, investimento, refugiados
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar