23:01 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    1205
    Nos siga no

    Minutos antes de a sessão ser iniciada na quinta-feira (16), um impasse sobre a realização ou não dos trabalhos foi criado. Sem ministros em número suficiente, a solução encontrada pela Corte foi chamar Barroso de emergência.

    Em meio a pautas importantes a serem discutidas, a sessão do Supremo Tribunal Eleitoral (STF) de quinta-feira (16) quase não aconteceu por falta de quórum, segundo o jornal O Globo. A mídia relata que para poder haver a sessão, os ministros tiveram que chamar o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, que está na Rússia, para completar o quadro.

    O presidente do TSE embarcou na quinta-feira (16) para Moscou e quando chegou participou por videoconferência da reunião do STF. Barroso será um dos observadores das eleições para a Duma, equivalente à Câmara dos Deputados.
    Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, durante entrevista coletiva. Foto de arquivo
    © AFP 2021 / Apu Gomes
    Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, durante entrevista coletiva. Foto de arquivo

    Desde 12 de julho, quando o ministro Marco Aurélio Mello se aposentou, a Corte vem funcionando com apenas dez magistrados e, especificamente na quinta-feira (16), a reunião não contou com a presença dos ministros Luiz Fux, Nunes Marques e Barroso.

    Minutos antes de a sessão ser iniciada pela vice-presidente do STF, ministra Rosa Weber, um impasse sobre a realização ou não dos trabalhos foi criado. Sem ministros em número suficiente, a solução encontrada pela Corte foi chamar Barroso de emergência.

    De acordo com a mídia, nos bastidores do STF, a crise do quórum é vista como um dos aspectos dos prejuízos causados pelo desequilíbrio na composição dos ministros. A demora do Senado Federal em dar andamento à sabatina de André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para a vaga de Marco Aurélio, não tem sido vista com bons olhos pelos ministros do STF.

    Com um ministro a menos, a chance de empate na Corte aumenta e, sem o voto de minerva para decidir as questões, alguns casos podem ficar travados.

    Mais:

    'Impeachment já', 'ditador igual a Chávez': parlamentares opinam ante decisão de Bolsonaro sobre STF
    Bolsonaro entra com ação no STF para proibir inquéritos sem aval do MP; filho deputado ameaça Corte
    Dia agitado em Brasília: Pacheco defende ministros do STF e Moraes arquiva caso Augusto Aras
    Bolsonaro volta a defender fuzil ao invés de feijão e convoca ministros do STF para 7 de setembro
    Tags:
    STF, Supremo Tribunal Federal (STF), ministro, ministros, Luís Roberto Barroso, Marco Aurélio Mello, Kassio Nunes Marques, Luiz Fux, Rosa Weber, Senado, Senado Federal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar