00:04 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    555
    Nos siga no

    Luna e Silva afirma que a Petrobras trabalha com administração severa e que "não há espaço para aventura na empresa", ao mesmo tempo, cita motivos para a alta dos combustíveis que não são originados pela estatal, apontando para tributos.

    Nesta terça-feira (14), o presidente da Petrobras, general Joaquim Silva e Luna, disse que a estatal trabalha com uma governança rigorosa e que "não há espaço para aventura na empresa", segundo o Congresso em Foco.

    "Temos uma rigorosa governança: não tem espaço para aventura na empresa. A Petrobras triplicou a entrega de gás para operação das termoelétricas nos últimos 12 meses e contribui para este momento de crise energética", afirmou.

    As declarações de Silva e Luna foram dadas durante comissão geral no Plenário da Câmara dos Deputados que debate o preço dos combustíveis e a situação de operação das usinas termelétricas.

    O general ainda destacou que nem todo reajuste de combustível é motivado pela Petrobras.

    "Com relação à gasolina, a parte que corresponde a Petrobras é da ordem de R$ 2, considerando R$ 6/L. [...] A segunda parte do preço, corresponde a uma série de tributos, como ICMS, impostos federais, Cide, Pis, Cofins", ressaltou.

    Luna e Silva acredita que a estatal "faz investimentos selecionados e tem uma forte governança para evitar qualquer desvio. A empresa soma com foco naquilo que ela faz de melhor. Só uma empresa forte pode fazer isso".

    O general Joaquim Silva e Luna durante audiência pública na Câmara dos Deputados.
    © Foto / Marcelo Camargo/Agência Brasil
    O general Joaquim Silva e Luna durante audiência pública na Câmara dos Deputados.

    Criticado por parlamentares pela falta de interferência da estatal para reduzir os preços, o presidente da Petrobras se posicionou contra o tabelamento do preço de combustíveis e justificou a importação, de acordo com a CNN Brasil.

    "O preço tabelado não é real e acaba com qualquer investimento. Os países que optaram por isso faliram. […] O combustível mais caro do mundo é aquele que não existe. Então, o nosso esforço é que não falte combustível no Brasil. Por isso a Petrobras importa e adquire."

    O general ainda lembrou as críticas do presidente, Jair Bolsonaro, sobre o alto preço dos combustíveis nas bombas dos postos e apoiou uma reunião entre governo federal e governos estaduais em busca de uma solução, segundo a mídia.

    "Em reunião com o governador do Rio de Janeiro ele fez aceno importante sugerindo uma reunião de todos para conversar e analisar uma forma de reduzir os componentes que integram o valor do preço final. Penso que é uma excelente proposta", declarou.

    Mais:

    Só a Petrobras pode ajudar a indústria naval brasileira a crescer novamente, diz especialista
    Bolsonaro assina MP que permite venda direta do etanol de usinas para postos de combustível
    Apesar da crescente venda de ativos, especialista acha 'muito improvável' privatização da Petrobras
    Tags:
    petrobras, estatal, combustível, ICMS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar