21:25 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    2242
    Nos siga no

    Porta-voz da China no Brasil diz que Pequim vê Brasília com amizade, e que tal parceria gera mais de 40 mil empregos. Entretanto, diz que são de "má-fé" as declarações do presidente, Jair Bolsonaro, quando relaciona o país asiático ao coronavírus.

    Nesta terça-feira (14), em entrevista para Folha de São Paulo, o ministro-conselheiro e porta-voz da Embaixada da China em Brasília, Qu Yuhui, disse que Pequim espera "estabilidade" na relação com o Brasil e ressaltou os investimentos e empregos gerados pelo gigante asiático no país.

    "Como amigos do Brasil, esperamos que o país mantenha a estabilidade e o contínuo desenvolvimento [...]. Vale salientar que a China é um dos principais investidores no país, com um volume de aportes em rápida ascensão de US$ 80 bilhões [R$ 418 bilhões] e 40 mil empregos diretos", afirmou Qu.

    Entretanto, em relação ao panorama atual político brasileiro, o porta-voz disse que "não cabe a nós comentar sobre os assuntos internos do Brasil".

    A mídia relata que decidiu fazer a entrevista pela relação ambígua que o governo do presidente, Jair Bolsonaro, tem com o país asiático.

    O presidente da China, Xi Jinping, à esquerda, fala durante declaração conjunta com o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante reunião bilateral paralela à 11ª edição da Cúpula do BRICS, no Palácio do Itamaraty, em Brasília, no Brasil, no dia 13 de novembro de 2019
    © AP Photo / Eraldo Peres
    O presidente da China, Xi Jinping, à esquerda, fala durante declaração conjunta com o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante reunião bilateral paralela à 11ª edição da Cúpula do BRICS, no Palácio do Itamaraty, em Brasília, no Brasil, no dia 13 de novembro de 2019

    Ao mesmo tempo que ataca a China e profere que sua vacina (CoronaVac) não tem comprovação científica, diz que Pequim é um parceiro importante na luta do Brasil contra a pandemia, de acordo com as palavras do presidente na última conferência do BRICS, conforme noticiado.

    Indagado se seria possível crer em tanta moderação, Qu respondeu:

    "A afirmação sobre as relações sino-brasileiras feita pelo presidente Bolsonaro foi uma avaliação objetiva sobre as relações amistosas entre nossos dois países e a parceria bilateral de alto nível no contexto da pandemia. [...] Nesta cúpula do BRICS, o presidente Xi Jinping apresentou cinco iniciativas para promover o crescimento de alta qualidade da cooperação pragmática dentro do bloco. Esperamos trabalhar com o lado brasileiro para implementar os importantes consensos alcançados", contemporizou.

    Em maio, Bolsonaro chegou a citar (sem nomear diretamente) a China como interessada em uma "guerra biológica" com o vírus da COVID-19. Qu comentou as sugestões norte-americanas com o mesmo conteúdo.

    "Trata-se de uma acusação leviana e de má-fé. [...] Os EUA são, de fato, o país que mais espalhou o vírus pelo mundo e que apresenta mais suspeitas no rastreio da origem do vírus. Provas científicas indicam que as infecções pelo novo coronavírus em várias cidades norte-americanas aconteceram muito antes dos primeiros casos registrados no país", disse.

    Entretanto, ao comentar sobre afirmações feitas durante a Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC, na sigla em inglês) por Donald Trump Jr, filho do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, o porta-voz foi bem mais incisivo.

    "São fantasias absurdas, totalmente descoladas da realidade, às quais manifestamos veemente objeção [...]. Instamos as personalidades norte-americanas a cessar suas manobras políticas para distorcer os fatos e fabricar mentiras contra a China", declarou Qu.

    Donald Trump Jr., filho do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante Congresso Conservador organizado por Eduardo Bolsonaro, 4 de setembro de 2021
    © Folhapress / Wallace Martins/Futura Press
    Donald Trump Jr., filho do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante Congresso Conservador organizado por Eduardo Bolsonaro, 4 de setembro de 2021

    Na conferência, Trump Jr. acusou Pequim de buscar influenciar o resultado da eleição presidencial brasileira de 2022, para a instalação de um "governo socialista o qual possam manipular" — o eufemismo para PT, no caso, segundo a mídia.

    Sobre a questão do 5G no Brasil, o leilão das bandas da tecnologia é marcado por diversos vaivéns, mas por ora a Huawei só está proibida de associar-se a operadoras na chamada rede privativa do governo, que trafega dados sensíveis à segurança nacional. O processo continua travado.

    Além disso, em visita ao Brasil no princípio de agosto, o Conselheiro de Segurança dos EUA, Jake Sullivan, fez pressão no governo brasileiro dizendo que o país poderia se tornar membro da OTAN se não adotar tecnologia 5G chinesa, conforme noticiado.

    Para Qu, o edital brasileiro "oferece condições relativamente equitativas de concorrência". "Esperamos que o governo brasileiro continue a proporcionar às empresas chinesas, aí incluída a Huawei, um ambiente de negócios imparcial, aberto, transparente e livre de discriminação", afirmou.

    Mais:

    Vaca louca: Brasil confirma casos em MT e MG e exportação de carne bovina para China é suspensa
    Pacto Mercosul-UE é muito mais vantajoso para o Brasil do que acordo com a China, afirma economista
    Embaixador da China no Brasil diz que Pequim espera do Talibã políticas 'moderadas e prudentes'
    Tags:
    China, Embaixada da China, Brasil, 5G, Huawei, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar