14:16 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    260
    Nos siga no

    No último mês, oito dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta e o único setor que não apresentou variação negativa foi o da saúde e cuidados pessoais. Resultado do IPCA é o maior para agosto em 21 anos.

    Pressionada pelo aumento dos preços de combustíveis, automóveis, alimentação e energia elétrica, a inflação brasileira voltou a apresentar em agosto desempenho acima do esperado pelo mercado financeiro.

    No último mês, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,87% ante julho, acima da alta de 0,71% esperada por economistas. Esse é o maior resultado para o mês desde 2000, segundo o Estadão.

    O indicador acumula altas de 5,67% no ano e de 9,68% nos últimos 12 meses. Em agosto do ano passado, a variação mensal foi de 0,24%.

    "O preço da gasolina é influenciado pelos reajustes aplicados nas refinarias de acordo com a política de preços da Petrobras. O dólar, os preços no mercado internacional e o encarecimento dos biocombustíveis são fatores que influenciam os custos, o que acaba sendo repassado ao consumidor final. No ano, a gasolina acumula alta de 31,09%, o etanol 40,75% e o diesel 28,02%", disse o analista da pesquisa, André Filipe Guedes Almeida, citado pela mídia.

    De acordo com o jornal, a segunda maior contribuição no IPCA de agosto foi do grupo alimentação e bebidas (1,39%), que acelerou em relação a julho (0,60%). A alimentação no domicílio passou de alta 0,78% para 1,63%, principalmente por causa dos aumentos nos preços de batata-inglesa (19,91%), café moído (7,51%), frango em pedaços (4,47%), frutas (3,90%) e carnes (0,63%).

    Inflação prévia
    Wilson Dias/Agência Brasil
    O poder de compra do brasileiro fica cada vez menor com a maior alta da inflação em 21 anos

    No grupo habitação, que teve alta de 0,68%, o resultado foi influenciado pela energia elétrica (1,10%), que desacelerou em relação ao mês anterior (7,88%).

    O único grupo que não demonstrou variação negativa foi o da saúde e cuidados pessoais, que apresentou 0,04%, devido à queda de 0,43% nos itens de higiene pessoal.

    Mais:

    'Temos um problema de inflação? Temos', admite Bolsonaro
    Inflação no Brasil atinge 8% nos últimos 12 meses, com maior alta mensal em 25 anos, revela IBGE
    Governo pretende elevar salário mínimo em 6,2% ainda em 2022; reajuste é abaixo da inflação
    Tags:
    combustível, inflação, economia, alimentação
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar