21:26 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    5228
    Nos siga no

    Nas últimas semanas, o presidente Jair Bolsonaro tem convocado apoiadores para manifestações no 7 de setembro. Em agosto, Bolsonaro chegou a encaminhar mensagens alertando apoiadores para um "provável e necessário contragolpe".

    Dos 26 governos estaduais e mais o Distrito Federal, oito pretendem punir policiais militares (PMs) que participarem das manifestações marcadas para 7 de setembro, informa o jornal O Globo neste sábado (4).

    Segundo a mídia, dez governadores não deixam claro quais serão as suas condutas, enquanto dois afirmam que seus regimentos preveem a ida aos atos desde que sem farda, e sete não responderam ao questionamento.

    Os oitos estados que se comprometeram a punir oficiais e praças que participarem das manifestações são: Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Maranhão, Paraíba, Piauí, Roraima e São Paulo. Rio Grande Sul e Distrito Federal não vão impedir manifestações.
    Presidente Jair Bolsonaro desfile em carro aberto durante o 7 de Setembro em Brasília
    © Folhapress / Claudio Reis/FramePhoto
    Presidente Jair Bolsonaro desfile em carro aberto durante o 7 de Setembro em Brasília

    Atos no 7 de setembro

    Nas últimas semanas, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem convocado apoiadores para manifestações no feriado de 7 de setembro. Em 22 de agosto, Bolsonaro chegou a encaminhar mensagens no aplicativo WhatsApp alertando apoiadores para um "provável e necessário contragolpe" e pedindo que os "direitistas" se manifestem no feriado.

    No dia seguinte, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afastou o chefe do Comando de Policiamento do Interior-7, coronel Aleksander Lacerda, da Polícia Militar do estado de São Paulo (PMSP), por indisciplina. O coronel, que comandava cerca de 5.000 pessoas de sete batalhões da região de Sorocaba, havia feito publicações nas redes sociais convocando seguidores para atos no 7 de setembro, com críticas e ofensas direcionadas aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), ao presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e ao governador de São Paulo.

    Na sexta-feira (3), Bolsonaro disse que dia 7 será um "ultimato" para dois ministros do STF: "Não podemos admitir que uma ou duas pessoas, usando da força do poder, queiram dar outro rumo ao nosso país. Essas uma ou duas pessoas precisam entender o seu lugar. O recado de vocês nas ruas, na próxima terça-feira [7], será um ultimato para essas duas pessoas".

    O presidente não disse a quem se referia especificamente ao falar em ultimato, mas recentemente Bolsonaro tem concentrado críticas aos ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, que também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

    Mais:

    Carlos Bolsonaro sobre quebra de sigilo: 'Na falta de fatos novos, requentam os velhos'
    'Com flores não se ganha guerra': Bolsonaro diz que quem quer paz precisa 'se preparar para guerra'
    Economia preocupa brasileiro e avaliação do governo Bolsonaro sofre queda de 4% em apenas 1 mês
    Por que o manifesto por harmonia da Fiesp com apoio da Febraban gera incômodo no governo Bolsonaro?
    Tags:
    7 de setembro, Sete de Setembro, manifestações, manifestações, Polícia Militar, Polícia Militar do Estado de São Paulo, Jair Bolsonaro, governo bolsonaro, Supremo Tribunal Federal, Supremo Tribunal Federal (STF), ameaça, ameaça, ameaças, ato
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar