14:28 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    434
    Nos siga no

    De acordo com Departamento de Estado dos EUA, o Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em diversos países) fez acordo com 97 países para retirada de pessoas em segurança do Afeganistão. Brasil não faz parte do pacto.

    Em um documento divulgado hoje (29) pelo governo dos EUA, quase 100 países estabeleceram acordo com o Talibã para a saída segura de estrangeiros do Afeganistão, entretanto, o Brasil está fora da lista, segundo o portal UOL.

    O Departamento de Estado dos EUA diz ter recebido garantias para proteção dos passageiros, e que qualquer cidadão de outro país poderá deixar Cabul livremente.

    "Nós todos estamos comprometidos em garantir que nossos cidadãos, trabalhadores, afegãos que trabalharam conosco e estão em risco podem continuar a viajar livremente para fora do Afeganistão", disse o texto.

    A nota é assinada por 97 países de todos os continentes, incluindo, por exemplo, França, EUA, Togo, Haiti, Ilhas Fiji, mas não pelo Brasil. Isso não quer dizer, no entanto, que os cidadãos brasileiros não estejam contemplados pelo acordo, segundo a mídia.

    O portal afirma que procurou o Ministério das Relações Exteriores para saber por que o Brasil não compõe o grupo, mas não teve resposta até o momento.

    Na sexta-feira (27), um cidadão brasileiro e sua família foram resgatados do país afegão através de articulação entre o Itamaraty e a União Europeia (UE), mais precisamente com a Alemanha e Espanha, conforme noticiado.

    De acordo com o Itamaraty, há cinco brasileiros identificados no país, e dois deles pediram auxílio para deixar o Afeganistão.

    Mais:

    Drone dos EUA elimina membro do Estado Islâmico-K no leste do Afeganistão, diz Washington
    Ataque aéreo dos EUA mata 2 líderes do Daesh no Afeganistão, diz Pentágono
    Brasileiro e família conseguem sair do Afeganistão com ajuda da Alemanha e Espanha
    Tags:
    Afeganistão, Talibã, EUA, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar