21:36 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil em meados de agosto de 2021 (13)
    0910
    Nos siga no

    Segundo o juiz que analisou o caso, não há elementos que justifiquem a prisão em flagrante por falso testemunho do ex-diretor. Magistrado também ordenou que seja devolvido o valor pago da fiança.

    Nesta sexta-feira (20) a Justiça Federal em Brasília cancelou a prisão em flagrante de Roberto Ferreira Dias, ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, determinada pela CPI da Covid no início de julho, segundo o G1.

    A decisão é do juiz Francisco Codevila, da 15ª Vara da Justiça Federal, e atende a um pedido da defesa de Dias.

    Segundo a mídia, Codevila afirmou que não encontrou elementos que justificassem a prisão em flagrante por falso testemunho e determinou que seja devolvido o valor de R$ 1,1 mil pago da fiança.

    Entretanto, o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Legislativa defenderam que a Justiça validasse a prisão em flagrante e determinasse a continuidade das investigações.

    A defesa de Dias alega que a prisão "representou abuso de autoridade e inexistência de justa causa para ser determinada".

    Mesmo anulando a sentença, o magistrado não analisou um pedido da defesa para arquivar o caso por entender que cabe ao Ministério Público oferecer uma acusação ou encerrar o caso, de acordo com a mídia.

    Ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, recebe orientação de sua advogada, Maria Jamile José na CPI da Covid, 7 de julho de 2021
    © Foto / Agência Senado / Edilson Rodrigues
    Ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, recebe orientação de sua advogada, Maria Jamile José na CPI da Covid, 7 de julho de 2021

    Entenda o caso

    Roberto Ferreira Dias foi acusado pelo policial militar, Luiz Paulo Dominguetti, de ter pedido propina nas negociações para aquisição da vacina da AstraZeneca. Segundo o policial, Dias teria solicitado pagamento de US$ 1 (R$ 5) por dose para fechar um contrato com 400 milhões de doses. 

    Após o depoimento de Dominguetti, o ex-diretor da Saúde foi convocado para depor na CPI.

    No entanto, ao contrastar seu depoimento com áudios obtidos pela comissão, o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), deu ordem de prisão instantânea para Dias sob a acusação de que ele mentiu e cometeu perjúrio, ou seja, violou o juramento de falar de verdade, pois o conteúdo de seu discurso não condizia com os áudios analisados pela comissão, conforme noticiado.

    Tema:
    Coronavírus no Brasil em meados de agosto de 2021 (13)

    Mais:

    CPI da Covid: comissão aprova quebra de sigilo de advogado de Bolsonaro e de Ricardo Barros
    CPI da Covid: Ministério da Saúde coloca em sigilo documentos sobre compra da vacina Covaxin
    Parecer técnico da CPI da Covid vai apontar crimes de Bolsonaro, Pazuello e Élcio Franco, diz mídia
    Tags:
    CPI da Covid, justiça, Ministério da Saúde, prisão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar