18:43 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Por ,
    372
    Nos siga no

    Ação das geadas na agricultura brasileira pode causar efeito dominó nos preços de outros alimentos e na inflação. A Sputnik Brasil conversou com um especialista sobre questões agrícolas do país e efeitos do clima.

    As condições climáticas levaram à redução da projeção da grande safra de grãos brasileira para 2020-2021, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Por conta da estiagem prolongada das geadas em várias regiões do país, as produções de milho, café, hortaliças e laranja, foram atingidas e isso deve elevar ainda mais os custos repassados para o consumidor brasileiro.

    O custo do milho também acaba afetando o preço das carnes, já que é usado na alimentação de frangos e também na ração de bovinos e suínos. A expectativa da Conab é de que sejam produzidas 254 milhões de toneladas,1,2% a menos do que na safra anterior.

    O pesquisador da Universidade de São Paulo (USP) e engenheiro agrônomo do Instituto de Estudos Avançados da USP, Warwick Manfrinato, acredita que a quebra da safra pode variar de 1% a 2%. Pode não parecer muito, mas afeta de maneiras diferentes certas culturas, como o café, que foi uma das safras mais atingidas.

    Prejuízos

    O especialista acredita que é difícil administrar como minimizar possíveis riscos da atividade agrícola. "Eu acho que ainda existe uma grande área cinza, não de conhecimento, mas de implicações que a gente não tem exatamente uma clareza sobre o que vai acontecer".

    Sobre os efeitos da geada, Manfrinato acredita que o fenômeno causou problemas pontuais, em contrapartida alerta que um verão rigoroso poderia afetar a disponibilidade de água e isso seria o mais preocupante no caso do Brasil. "Uma mudança do ciclo hidrológico seria muito mais prejudicial do que a questão da temperatura no Brasil", diz.

    "Sobre as perspectivas eu acho que os países estão se diferenciando em termos de reação e como se posicionar com relação a isso", compara lembrando que existe uma política mundial de grãos e que países como os EUA tem preparação de estoque para situações extremas.

    Cerejas de café colhidas são derramadas em um contêiner entre campos de plantações de café que foram afetadas por geadas no estado de Minas Gerais, Varginha, 30 de julho de 2021
    © REUTERS / Roosevelt Cassio
    Cerejas de café colhidas são derramadas em um contêiner entre campos de plantações de café que foram afetadas por geadas no estado de Minas Gerais, Varginha, 30 de julho de 2021

    Políticas públicas na agricultura

    O engenheiro agrônomo acredita que agricultores individuais podem ser mais afetados pela quebra de safra, pelas já existentes dificuldade de acesso ao mercado e estruturação da atividade. Além disso, o pesquisador falou ainda sobre os regionalismos na agricultura que acabam beneficiando o sudeste em grandes cooperativas. "Existe uma política pública, mas ela é aplicada de formas diferentes em cada região do país".

    "Comprado com outros países, mesmo países tropicais, o Brasil não é um país pioneiro para tratar desse assunto como deveria, sendo que é um país que possui uma estrutura agrícola muito avantajada, muito maior, muito mais importante para a economia do que outros países", descreve Manfrinato.

    Segundo ele, a comparação precisa ser ponderada com outros indicadores, pois o agricultor familiar e o agricultor do agronegócio não estão bem assistidos pelo governo. Manfrinato lamenta a falta de apoio do governo nas políticas públicas para a agricultura: "Estrutura está boa, mas a governança sempre deixa a desejar".

    Gerente da fazenda Coqueiro examina plantações de café que foram afetadas por geadas no estado de Minas Gerais, Varginha, 30 de julho de 2021
    © REUTERS / Roosevelt Cassio
    Gerente da fazenda Coqueiro examina plantações de café que foram afetadas por geadas no estado de Minas Gerais, Varginha, 30 de julho de 2021

    O engenheiro afirma que "Brasil não está muito bem, obrigada", e opina que o Estado tem condições de se posicionar melhor do que está se posicionando.

    "Os atores políticos e públicos do Brasil não estão demonstrando que o problema é o problema que estamos enfrentando, estamos conduzindo uma batalha com palitos de dente. Não vamos conseguir vencer isso dessa forma", alerta.

    Como os agricultores driblaram a questão?

    Sem nenhuma diretriz por parte do governo, os agricultores passaram a modificar as plantações ou deixar de plantar certas culturas. Como exemplo o professor cita as plantações de café paralisadas no Paraná, para evitar perder os produtos para a geada.

    Ele contou também que há técnicas como a do "nebulizador", que consiste em uma espécie de vaporização sob a plantação durante a madrugada para alterar a temperatura mais baixa da noite com o calor específico da água.

    Manfrinato afirma que são técnicas conhecidas de longa data, mas que muitas vezes não tem o aporte financeiro para investimento nessas tecnologias por parte dos agricultores.

    "Nós temos o conhecimento, o fomento agrícola e a extensão rural estão na constituição, mas falta a assistência", acusa.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Cemitério de escravos africanos do século XVIII é encontrado em antiga plantação do Caribe (FOTOS)
    Representantes do setor agrícola destacam acerto do governo ao focar em investimentos no Nordeste
    Descoberta de patas de ovelhas mumificadas dá pistas de antigas práticas agrícolas (FOTOS)
    Tags:
    agricultura, agricultura familiar, Brasil, temperatura, café, commodities, inflação, preços
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar