04:36 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil em meados de agosto de 2021 (13)
    0 80
    Nos siga no

    Segundo relator do texto, o principal objetivo é agilizar o processo de concessão de licenças compulsórias em casos de emergência de saúde pública declarados por lei ou decreto.

    Na quarta-feira (11), o Senado aprovou projeto que autoriza a quebra de patentes temporária de vacinas e insumos em situações de emergência sanitária ou calamidade pública, como no caso da pandemia da COVID-19.

    A aprovação contou com 61 votos a favor e 13 contra, de acordo com a Agência Senado. O texto, analisado pela segunda vez pelos senadores após sofrer mudanças na Câmara dos Deputados, segue para a sanção presidencial. 

    Segundo o comunicado da agência, o texto aprovado "estabelece as garantias necessárias ao titular da patente com relação ao caráter temporário do licenciamento compulsório, à proteção contra exploração indevida e à fixação de parâmetros mínimos para o estabelecimento de uma remuneração compatível com os padrões do mercado". 

    "O principal objetivo é agilizar o processo de concessão de licenças compulsórias em casos de emergência de saúde pública declarados por lei ou decreto, como é o caso da atual pandemia provocada pelo coronavírus", disse o senador Nelsinho Trad (PSD-MS), relator do texto, citado pela agência.

    Pelo projeto, o Executivo terá a prerrogativa de determinar a chamada licença compulsória, mas abre a possibilidade ao Congresso Nacional de atuar se identificar omissão do governo, autorizando o Parlamento a editar projeto de lei neste caso.

    Entretanto, o governo Bolsonaro já havia se posicionado contra a aprovação da matéria, alegando que poderia prejudicar o relacionamento do Brasil com produtores de vacinas e ainda que o país não teria tecnologia para produzir alguns imunizantes mesmo se obtiver a quebra das patentes, segundo a Folha de São Paulo.

    Porém, nos últimos meses, o governo teria mudado o tom, principalmente após o governo norte-americano dizer que apoia a suspensão de patentes de vacinas contra a COVID-19.

    De acordo com Karin Costa Vazquez, professora da Escola de Assuntos Internacionais da Universidade O. P Jindal da Índia entrevistada pela Sputnik Brasil, anteriormente, a posição do governo brasileiro em relação à quebra de patentes "estava muito alinhada com a posição dos Estados Unidos durante o governo Trump".

    No entanto, com a entrada de Joe Biden na presidência, esse posicionamento teria mudado.

    "Mais recentemente, quando Biden declarou apoio à proposta da Índia e da África do Sul, o Brasil parece que ficou sem outra escolha a não ser seguir os Estados Unidos de Biden e os outros parceiros do BRICS", destacou a professora.

    Tema:
    Coronavírus no Brasil em meados de agosto de 2021 (13)

    Mais:

    Merkel afirma ser contra a quebra de patentes de vacinas contra a COVID-19
    'Brasil ficou sem escolha': especialista comenta apoio do país à quebra de patentes de vacinas
    Quebra de patentes das vacinas é questão de longo prazo e não produzirá mais doses em breve, diz UE
    Tags:
    Brasil, novo coronavírus, saúde, Senado
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar