18:36 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    13841
    Nos siga no

    Ministro da Educação diz que universidade deveria ser útil para "poucos" já que "muitos engenheiros estão dirigindo Uber" e afirma que reitores federais não podem ter vertente esquerdista nas instituições acadêmicas.

    Em entrevista ao programa Sem Censura da TV Brasil, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou que reitores das universidades federais não podem ser "esquerdistas nem lulistas" e disse que antes de se "preocupar com a conectividade" vai priorizar escolas sem água encanada, esgoto tratado e energia elétrica, segundo o jornal O Globo.

    "Alguns optaram por visões de mundo socialistas. Não precisa ser bolsonarista. Mas não pode ser esquerdista, nem lulista. Reitor tem que cuidar da educação e ponto final. E respeitar todos que pensam diferente. As universidades federais não podem se tornar comitê político, nem direita, muito menos de esquerda", declarou o ministro na entrevista citada pela mídia.

    O ministro ainda defendeu a educação técnica e afirmou que os institutos federais, com cursos profissionalizantes de nível técnico, serão as "grandes vedetes do futuro".

    "A universidade, na verdade, deveria ser para poucos nesse sentido de ser útil à sociedade. Tem muito engenheiro dirigindo Uber."

    Ainda na mesma entrevista, Ribeiro declarou que sua prioridade será escolas sem água encanada, esgoto tratado e energia elétrica antes de resolver a falta da conectividade.

    "Tenho 3.440 escolas públicas sem água, 8.527 sem saneamento, 3.817 sem energia elétrica. Isso não quer dizer que vou virar as costas para a conectividade. Mas tenho que ter prioridades e essas são as minhas. O aluno da grande cidade tem condição bem melhor do que as 54 mil escolas rurais que tenho no Brasil. Além disso, nosso sinal de internet é muito rústico. Imagine o povo no meio rural. Vai por o tablet de enfeite na prateleira. Não vão ter o que fazer", afirmou.

    O Brasil tem cerca de 138 mil escolas públicas. Ribeiro declarou entende que o Enem é muito democrático porque mais de 50% dos inscritos são gratuitas, segundo a mídia.

    "O Enem é uma prova caríssima. Não é para todo mundo. Não dá. O Enem é uma prova caríssima. Queremos que ela seja uma prova bem feita. Mas tem muita gente que pela gratuidade nem comparece. E então a gente gasta com impressão, correção que já contratei, local de prova. Dinheiro público desperdiçado. Esses tiveram que pagar."

    Mais:

    Corte de gastos: o que está por trás da ação de Bolsonaro de tirar Internet da escola pública?
    Governo Federal libera R$ 3,1 bilhões para gastos dos ministérios, Educação tem maior desbloqueio
    Prêmio esquecido: R$ 162,6 milhões da Mega da Virada devem ir para a educação
    Líder no ranking de phishing, Brasil tem de ampliar educação digital, diz especialista
    Tags:
    Brasil, Ministério da Educação, Internet, universidades, esquerda
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar