20:09 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0104
    Nos siga no

    Nesta terça-feira (3), presidente Bolsonaro voltou a defender o voto impresso e atacou o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso.

    A Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público (CTASP) da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (3) requerimento do deputado Rogério Correia (PT-MG) para convocação do ministro da Defesa, Walter Braga Netto.

    O general vai ter que esclarecer o conteúdo de uma reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, que atribui ao ministro uma ameaça à realização das eleições de 2022. Braga Netto negou a declaração.

    "A suposta ameaça, se confirmada, se constitui em grave crime praticado contra o sistema democrático, definido constitucionalmente, fato este que precisa ser apurado pelo Parlamento brasileiro e demais órgãos estatais de investigação e controle e, se comprovada a ameaça, adotar as providências cabíveis", lê-se no requerimento, reproduzido pela revista Carta Capital.

    A reportagem do O Estado de S. Paulo afirma que, em 8 de julho, Braga Netto enviou um recado ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), dizendo que, se não for aprovado o voto impresso e auditável, não haverá eleições em 2022.

    Presidente Jair Bolsonaro e ministro da Defesa Walter Souza Braga Netto após encontro em Brasília, 22 de julho de 2021
    © REUTERS / Adriano Machado
    Presidente Jair Bolsonaro e ministro da Defesa Walter Souza Braga Netto após encontro em Brasília, 22 de julho de 2021

    Atualmente, o voto impresso é uma das principais bandeiras defendidas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seus aliados.

    Bolsonaro volta a atacar Barroso

    Nesta terça-feira (3), em conversa com apoiadores na porta do Palácio da Alvorada, Bolsonaro voltou a atacar o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso.

    "O ministro Barroso presta um desserviço para a população brasileira. Não é uma briga contra o TSE ou STF, é contra o ministro do Supremo que é presidente do TSE querendo impor a sua vontade. Nós sabemos quanto Barroso deve para Luiz Inácio Lula da Silva", afirmou Bolsonaro, citado pelo jornal Estado de Minas.

    O presidente acrescentou que no ano que vem haverá eleições limpas e democráticas, mas que não serão admitidas eleições duvidosas.

    Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, durante entrevista coletiva. Foto de arquivo
    © AFP 2021 / Apu Gomes
    Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, durante entrevista coletiva. Foto de arquivo
    "O Brasil mudou. Jurei dar minha vida pela pátria. Não aceitarei intimidações. Vou continuar exercendo meu direito de cidadão, de liberdade de expressão, de criticar, de ouvir e atender acima de tudo a vontade popular."

    Na segunda-feira (2), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou, por unanimidade, a abertura de um inquérito administrativo sobre ataques à legitimidade das eleições. O plenário do TSE também aprovou pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que o presidente Jair Bolsonaro seja investigado no inquérito que apura a disseminação de desinformação.

    Mais:

    Ato pró-Bolsonaro: pauta do voto impresso é 'narrativa para contestar 2022', diz especialista
    Voto impresso: bolsonarismo tem 'estratégia de tumultuar e elevar a tensão', diz especialista
    Ministro Barroso diz que voto impresso é 'solução desnecessária' para 'problema que não existe'
    Voto impresso: saída para eleição justa ou retorno à época das fraudes?
    Tags:
    Câmara Federal, Câmara dos Deputados, Brasil, General Braga Netto, eleição, eleição, eleições, eleições, eleições, urnas, urnas eletrônicas, votos, voto secreto, voto impresso, Bolsonaro, governo bolsonaro, Jair Bolsonaro, Luís Roberto Barroso
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar