06:37 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 272
    Nos siga no

    Uma massa de ar frio intensa poderá causar a temperatura mais baixa do século no Brasil, de acordo com empresas de meteorologia nacionais.

    Nos locais mais extremos da região Sul, a sensação térmica poderá chegar aos -25 ºC graus Celsius, com alta probabilidade de cair neve, segundo a MetSul Meteorologia, aponta o portal UOL.

    É importante sublinhar que os estudos divulgados pela MetSul ainda são preliminares, e devem ser confirmados neste fim de semana ou na próxima segunda-feira (26). No entanto, caso o sejam, a massa de origem polar intensa deverá ter início entre a próxima terça-feira (27) e quarta-feira (28), podendo se estender por toda a semana. 

    Segundo modelos numéricos analisados pela MetSul, a temperatura proveniente da massa polar será inferior às temperaturas do final de junho e início de julho deste ano.

    Conforme informam os meteorologistas, um fenômeno como esse foi registrado em julho de 2000 e de 2007, conta a mídia.

    Regiões com altitudes acima de 1.800 metros, como o Morro da Igreja (SC), deverão ter sensação térmica entre -20 ºC graus e -25 ºC graus Celsius. Já no Rio Grande do Sul, os termômetros poderão registrar até -5 ºC graus Celsius e ter sensação térmica de -20 ºC graus.

    As cidades de São Paulo e de Mato Grosso do Sul poderão ter geadas e sensação térmica de 0 graus Celsius, e a probabilidade de nevar em áreas de maior altitude também é grande, segundo a MetSul. Ainda assim, as projeções ainda podem sofrer alterações, podendo variar negativa ou positivamente em relação aos termômetros.

    Mais:

    Brasil: pandemia e mudanças tecnológicas podem ser combo fatal para trabalhadores menos qualificados
    Rio de Janeiro vacinará toda população adulta da Ilha de Paquetá para realizar estudo sobre COVID-19
    Melhores fotos de semana em que Brasil começa provas dos Jogos Olímpicos
    Tags:
    Brasil, neve, frio, Meteorologia, natureza
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar