17:36 02 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil em meados de julho de 2021 (17)
    12717
    Nos siga no

    Presidente saiu do hospital na manhã de hoje (18) e fez declarações sobre suposto envolvimento do ex-ministro da Saúde em superfaturamento na compra de vacinas. Bolsonaro deixou hospital acompanhado por Valdemiro Santiago.

    Neste domingo (18), após receber alta, o presidente Jair Bolsonaro fez declarações acerca das supostas indicações de que o ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, estaria envolvido em esquema de superfaturamento na aquisição de vacinas CoronaVac.

    O presidente culpou lobistas e disse que "lá em Brasília não falta gente tentando vender lote na Lua" para defender o general, segundo a Folha de São Paulo.

    "Quando fala em propina, 'é pelado dentro da piscina', e não gravando um vídeo para anunciar a assinatura de um memorando de entendimento para a compra", afirmou o presidente.

    Conforme noticiado na sexta-feira (16), foi revelado que, em um compromisso fora da agenda, Pazuello havia prometido a um grupo comprar 30 milhões de doses da vacina chinesa CoronaVac que foram formalmente oferecidas ao governo federal por quase o triplo do preço negociado pelo Instituto Butantan.

    Além da grande discrepância no valor da negociação da vacina, o encontro com intermediadores no Ministério da Saúde contradiz o que o general já disse à CPI da Covid.

    O final do encontro foi registrado em um vídeo, no qual estão presentes Pazuello e os intermediadores da transação.  

    ​Bolsonaro disse que, se estivesse no ministério, "teria apertado a mão daqueles caras todos", após ser questionado se não era estranho um ministro aceitar conversar com representantes que se dizem autorizados a vender imunizantes em nome de empresas.

    "O receber, ele não estava sentado à mesa. Geralmente, tira fotografia sentado na mesa negociando. E se fosse propina não dava entrevista, meu Deus do céu, não faria aquele vídeo. Dá para você entender isso aí?", declarou o presidente.

    Bolsonaro também negou, mais uma vez, outros dois superfaturamentos envolvendo compra de imunizantes, no caso, a vacina indiana Covaxin e a AstraZeneca.

    "Todos vocês da mídia nos pressionavam por vacinas, então muitas pessoas foram recebidas lá no ministério [...] É motivo de orgulho para mim saber que todos esses possíveis contratos não deram mais que um passo."

    O presidente deixou o hospital hoje (18) após ser internado por uma obstrução intestinal. Ele saiu do hospital acompanhado do apóstolo Valdemiro Santiago, um de seus aliados evangélicos conhecido por usar roupas de caubói e que foi alvo, em 2020, de notícia-crime por "possível prática de estelionato" impetrada pelo Ministério Público Federal (MPF). 

    Tema:
    Coronavírus no Brasil em meados de julho de 2021 (17)

    Mais:

    'Pré-sondagem': Pazuello nega que tenha negociado compra de CoronaVac com intermediários
    VÍDEO: fora da agenda, Pazuello se reuniu com intermediária que ofertou vacina pelo triplo do preço
    Ministério Público afirma à Justiça Federal que Pazuello fez gestão 'imoral e antiética' na pandemia
    Tags:
    Ministério da Saúde, Eduardo Pazuello, COVID-19, Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar