17:52 02 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil em meados de julho de 2021 (17)
    0 20
    Nos siga no

    O representante da empresa Davati, Cristiano Carvalho, afirmou que policial militar não usou a palavra "propina". Segundo ele, o pedido de "comissionamento" partiu do "grupo do tenente-coronel Blanco".

    Nesta quinta-feira (15), o representante da empresa Davati no Brasil, Cristiano Alberto Hossri Carvalho, disse em depoimento à CPI da Covid que o policial militar Luiz Paulo Dominghetti Pereira comunicou a ele sobre um pedido de "comissionamento" na negociação de 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca.

    O representante deixou claro que não foi usada a palavra "propina" na conversa e nem mesmo o valor exato do chamado "comissionamento" sobre o acordo de venda dos imunizantes.

    "Só para reforçar, o valor de US$ 1 nunca me foi mencionado. Porque também é uma coisa tão absurda que ele nunca chegou a me dizer isso. Só falou que havia sido pedido um comissionamento", relatou.

    Carvalho afirmou ainda que Dominghetti teria mencionado que o pedido partiu do "grupo do tenente-coronel Blanco". O nome de Cristiano foi primeiramente citado na CPI há duas semanas, pelo próprio Luiz Paulo Dominghetti. O policial relatou que ofereceu ao Ministério da Saúde as doses da vacina da AstraZeneca em nome da empresa Davati.

    Em seu depoimento, Dominghetti confirmou que o ex-diretor de Logística da Saúde, Roberto Dias, teria pedido US$ 1 de propina por dose, o que Roberto Dias nega.

    Roberto Dias durante  depoimento na CPI da Covid no Senado Federal em Brasília (DF), nesta quarta-feira (7)
    © Folhapress / Wallace Martins/Futura Press
    Roberto Dias durante depoimento na CPI da Covid no Senado Federal em Brasília (DF), nesta quarta-feira (7)

    Cristiano revelou também que havia dois grupos atuando em nome do Ministério da Saúde. Um seria o do ex-secretário-executivo Élcio Franco e o outro grupo seria o de Roberto Dias, do qual fazia parte o coronel Blanco.

    O depoente mencionou ainda que parecia que o grupo de Élcio Franco não sabia das negociações feitas pelo grupo de Dias e Blanco.

    "O que senti do Élcio Franco foi que não tinha conhecimento algum do que o Roberto Dias estava tratando", comentou Carvalho sobre a ocasião em que procurou Franco na tentativa de driblar o "comissionamento" sugerido.
    Tema:
    Coronavírus no Brasil em meados de julho de 2021 (17)

    Mais:

    Google, Facebook e Twitter articulam nos bastidores para investigação da CPI não acentuar, diz mídia
    Diretora da Precisa Medicamentos se nega a responder perguntas e senadores da CPI acionam STF
    Ricardo Barros diz que CPI é 'tribunal de exceção' e critica não ter chance de direito de defesa
    Tags:
    comissão, vacina, propina, negociações, CPI da Covid, COVID-19, pandemia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar