18:22 02 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    1198
    Nos siga no

    Ex-presidente afirmou que procura vice que entenda "como vive o povo pobre no Brasil" e diz que fará alianças políticas estratégicas para campanha do PT em 2022.

    Nesta quarta-feira (14), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse em entrevista que o partido fará alianças políticas em 2022 e que procura um vice que tenha afinidade política e econômica com ele, assim como o conhecimento sobre "como vive o povo pobre desse país".

    ​"A gente vai fazer aliança política, sim [...]. Eu tenho que procurar alguém, se decidir ser candidato, que tenha, primeiro, afinidade política comigo. Eu não posso chamar um antagônico. Eu tenho que ter alguém que tenha afinidade comigo, alguém que pense economicamente muito parecido comigo, alguém que tenha uma visão social parecida comigo, alguém que tem que conhecer como vive o povo pobre desse país", disse Lula.

    Voltando ao discurso que tem proferido nos últimos meses, Lula evitou anunciar se vai ou não concorrer mesmo às eleições de 2022.

    "[...] Depende. Eu vou decidir se vou ser candidato em algum momento. Preciso pensar em muitas coisas. Eu preciso medir as consequências dos meus atos e entender que sou o único candidato que tenho que fazer mais do que já fiz anteriormente", declarou o ex-presidente.

    Conforme noticiado no dia 9 de julho, a última pesquisa Datafolha apontou que Lula ampliou vantagem sobre Bolsonaro e passou de 21% para 26% na intenção de votos, enquanto o atual presidente foi de 17% para 19%. No segundo turno, Lula tem 58% contra 31%. Na pesquisa anterior, tinha 55% contra 32%.

    Mais:

    Ex-presidente FHC critica Bolsonaro e recomenda que Lula não seja candidato: 'Mais do mesmo'
    Após votação, plenário do STF reconhece decisão que tornou Moro parcial em processo de Lula
    Lula defende urna eletrônica, diz que impeachment é possível e que 'Lira não é dono do país'
    Tags:
    Datafolha, eleições, PT, lula
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar