12:47 05 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    12738
    Nos siga no

    Após forte onda de protestos em Cuba no último domingo (11), o presidente criticou a reação do governo cubano e condenou, sem citar nomes, adversários políticos que já se reuniram com mandatários de Havana e Caracas.

    Nesta segunda-feira (12), em conversa com apoiadores na saída do Palácio do Alvorada, o presidente, Jair Bolsonaro, fez declarações sobre os protestos ocorridos em Cuba no domingo (11). O presidente criticou o socialismo e "cobrou" direitos essenciais para a população da Ilha, segundo o jornal O Dia.

    Bolsonaro criticou a resposta das autoridades do país com "borrachada, pancada e prisão" e condenou, sem citar nomes, adversários políticos que já se reuniram com mandatários de países como Cuba e Venezuela.

    "Estão querendo viver como os cubanos e os venezuelanos, não tem mais cães e gatos na Venezuela, comeram tudo", disse o presidente citado pela mídia.

    Milhares de cubanos foram às ruas no domingo (11) para protestar contra cortes de energia elétrica e falta de remédios em meio ao período agudo da pandemia do coronavírus no país, que registrou 6.923 casos e 47 mortes por COVID-19 em 24 horas.

    Nesta segunda-feira (12), o presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, afirmou que alguns dos participantes dos protestos que eclodiram em Cuba são patrocinados pelos EUA para provocar tumultos.

    "Há um grupo de pessoas [...] contratadas pelo governo dos EUA, pagas indiretamente através de agências governamentais norte-americanas para organizar este tipo de manifestações", disse ele aos apoiadores em discurso.

    Mais:

    Contrariando Bolsonaro, Mourão diz que 'as eleições 2022 serão realizadas'
    Bolsonaro compara Fernández a Maduro após fala de presidente argentino: 'Para eles não tem vacina'
    Variante brasileira da COVID-19 na Venezuela será 'mais um round político entre Bolsonaro e Maduro'
    Tags:
    Brasil, Bolsonaro, Cuba, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar