11:42 24 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil em meados de julho de 2021 (17)
    1310
    Nos siga no

    Segundo jornal, representantes das gigantes tecnológicas estão entrando em contato com parlamentares para diminuir o alvoroço em torno de investigações que envolvem as redes sociais.

    Representantes do Google, Facebook e Twitter estão articulando nos bastidores para sair do alvo da CPI da Covid, e vêm procurando senadores discretamente com a intenção de evitar medidas negativas à imagem, como a convocação de seus executivos e quebra de sigilos, segundo o jornal O Globo.

    De acordo com a mídia, tradicionalmente, representantes de relações institucionais das gigantes de tecnologia referidas são vistos circulando pelo Congresso. Entretanto, recentemente essa presença aumentou, com temor da CPI investigar de forma mais profunda a participação ou omissão dessas empresas no processo de disseminação de notícias falsas sobre a COVID-19.

    Em meados de junho, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou que convocaria as plataformas digitais para explicarem por que não bloqueiam e não tiram vídeos negacionistas do presidente, Jair Bolsonaro, de suas redes sociais, conforme noticiado.

    Na época, Bolsonaro disse em uma live em uma de suas redes sociais que a contaminação pelo coronavírus é "mais eficaz" que as vacinas.

    "Vamos convocar na CPI o Facebook e o YouTube para que eles respondam sobre a responsabilidade que possuem em reproduzir esse tipo de aberração", disse o senador.

    Após anunciar a convocação, a mídia afirma que o senador Randolfe Rodrigues foi procurado pelas plataformas.

    "Eles queriam trazer explicações. Dialoguei com um deles, mas disse que, lamentavelmente, a posição era irreversível. Acho que eles tentaram explicar, dar informações e, obviamente, evitar a convocação", afirmou Rodrigues.

    Além do senador, o jornal relata que outros três parlamentares foram contactados por pessoas que falavam em nome das plataformas. Nas conversas, os emissários tentaram diminuir o alvoroço sobre as redes sociais na CPI apresentando pleitos e chegaram até a orientar os parlamentares sobre como formular requerimentos de informação.

    As redes sociais estão na mira da CPI da Covid por permitirem que discursos negacionistas sobre a COVID-19 sejam compartilhadas por usuários, incluindo declarações do presidente Jair Bolsonaro
    © Foto / Pixabay / Pixelkult
    As redes sociais estão na mira da CPI da Covid por permitirem que discursos negacionistas sobre a COVID-19 sejam compartilhadas por usuários, incluindo declarações do presidente Jair Bolsonaro

    Na tentativa de adotar uma política de "boa vizinhança", o Google, Facebook e Twitter têm tentado se aproximar da CPI e dar orientações aos integrantes, segundo a mídia.

    No entanto, o surgimento de indícios de corrupção nas negociações de vacinas, levou os trabalhos da comissão para outra direção. Tanto é assim que os depoimentos dos representantes das referidas empresas, aprovados há quase um mês, ainda não foram marcados.

    O jornal procurou as plataformas para ter possíveis esclarecimentos sobre essa "estratégia nos bastidores" de acalmar os "termômetros" da CPI diante das redes sociais.

    O Google respondeu ao O Globo que no âmbito da CPI, a empresa "tem se dedicado a colaborar com os parlamentares, compartilhando informações sobre a atuação diante da pandemia da COVID-19" e sobre os "esforços de combate à desinformação".

    O Facebook disse estar comprometido com o combate à desinformação e que trabalha para conectar as pessoas às informações confiáveis. "Temos colaborado com os pedidos da CPI por informações, e estamos à disposição para prestar esclarecimentos adicionais à comissão", disse a rede social em nota citado pelo jornal.

    Já o Twitter, segundo a mídia, afirmou que está "à disposição para colaborar com os trabalhos da CPI dentro dos parâmetros legais", segundo a mídia. Entretanto, no dia 1º de julho, a rede social recusou compartilhar uma lista de contas excluídas após solicitação de membros da CPI da Covid para divulgação da mesma.

    Tema:
    Coronavírus no Brasil em meados de julho de 2021 (17)

    Mais:

    CPI vai convocar Facebook e YouTube para saber por que permitem lives negacionistas de Bolsonaro
    Facebook, Twitter e Google ameaçam deixar Hong Kong devido à proposta de lei de dados, diz mídia
    Twitter recusa compartilhar lista de contas excluídas com CPI da Covid
    Tags:
    CPI da Covid, Facebook, Twitter, Google, Senado
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar