06:08 01 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    SARS-CoV-2 no Brasil no início de julho de 2021 (21)
    12229
    Nos siga no

    Em Porto Alegre, Paraná, onde foi realizada uma moticiata neste sábado (10), presidente Bolsonaro chamou Omar Aziz (PSD-AM), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Renan Calheiros (MDB-AL) de "bandidos".

    O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou neste sábado (10), que não pode tomar providências sobre tudo que chega para ele ao comentar sobre a reunião com o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) e seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Fernandes Miranda, para tratar de irregularidades encontradas no contrato de compra da vacina indiana contra a COVID-19 Covaxin.

    "Eu não me reuni [...] Ele pediu uma audiência para conversar comigo sobre várias ações. Eu tenho reunião com mais de 100 pessoas por mês, dos mais variados assuntos. Eu não posso simplesmente, ao chegar qualquer coisa para mim, tomar providência", afirmou Bolsonaro durante viagem ao Rio Grande do Sul, citado pelo jornal O Globo.

    Bolsonaro acrescentou que seu governo não gastou "um real" com a vacina indiana e que os fatos relatados na CPI da Covid sobre o superfaturamento do contrato são "história fantasiosa".

    À CPI, Luis Miranda declarou que alertou Bolsonaro, em março, sobre as suspeitas em torno do caso Covaxin. Segundo o deputado federal, o presidente associou o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR) às supostas irregularidades. Barros nega ter participado da negociação para a compra da Covaxin.

    Na sexta-feira (9), o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) afirmou que a reunião entre os irmãos Miranda com o presidente Jair Bolsonaro foi gravada e que "são 50 minutos de muita informação e baixaria".

    Representantes da CPI da Covid concedem entrevista após depoimento dos irmãos Miranda, Brasília, 25 de junho de 2021
    Representantes da CPI da Covid concedem entrevista após depoimento dos irmãos Miranda, Brasília, 25 de junho de 2021

    'Bandidos'

    Em Porto Alegre, Paraná, onde foi realizada uma moticiata neste sábado (10), presidente Bolsonaro foi questionado por jornalistas sobre se havia respondido ou pretendia responder aos questionamentos enviados pela CPI da Covid sobre o caso Covaxin.

    "Não tenho obrigação de responder. Ainda mais carta para três bandidos. Eu vou responder para ladrões, bandidos? Não vou responder", afirmou Bolsonaro. Ele se referia ao presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM), ao vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e ao relator, Renan Calheiros (MDB-AL).

    Tema:
    SARS-CoV-2 no Brasil no início de julho de 2021 (21)

    Mais:

    Ministério da Defesa diz que fala de Aziz foi 'grave'; Bolsonaro apoia posição das Forças Armadas
    Brasil assume presidência do Mercosul com Bolsonaro fazendo duras críticas à Argentina
    Nova pesquisa Datafolha: Lula amplia vantagem sobre Bolsonaro no 1º e 2º turnos das eleições 2022
    Presidente do Senado diz que não aceitará retrocesso nas eleições, após declarações de Bolsonaro
    Tags:
    pandemia, CPI da Covid, COVID-19, vacina, vacina, Renan Calheiros, governo bolsonaro, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar