12:20 05 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    9208
    Nos siga no

    Depois de Bolsonaro ter posto em dúvida a segurança das urnas eletrônica, presidentes de diferentes legendas dizem que nenhuma forma de ameaça à democracia será tolerada.

    Dirigentes de oito dos principais partidos do país reagiram às declarações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o processo eleitoral do país.

    "A democracia é uma das mais importantes conquistas do povo brasileiro, uma conquista inegociável. Nenhuma forma de ameaça à democracia pode ou deve ser tolerada. E não será", diz a nota, citada pelo portal UOL e assinada por ACM Neto (DEM), Baleia Rossi (MDB), Bruno Araújo (PSDB), Eduardo Ribeiro (Novo), José Luís Penna (PV), Luciano Bivar (PSL), Paulinho da Força (Solidariedade) e Roberto Freire (Cidadania).

    No comunicado, os presidentes das siglas reafirmam confiança no sistema eleitoral e declaram que a oposição será firme a quem "ameaçar" o sistema democrático: "Temos total confiança no sistema eleitoral brasileiro [...] são as eleições que garantem a cada cidadão brasileiro o direito de escolher livremente seus representantes e gestores. Sempre vamos defender de forma intransigente esse direito, materializado no voto. Quem se colocar contra esse direito de livre escolha do cidadão terá a nossa mais firme oposição".

    Nos últimos dias, sem apresentar provas, o presidente Bolsonaro tem posto em dúvida a segurança das urnas eletrônicas e dito que as eleições de 2022 podem não ocorrer.

    "Não tenho medo de eleições. Entrego a faixa a quem ganhar. No voto auditável. Nessa forma [atual], corremos o risco de não termos eleição no ano que vem. Porque é o futuro de vocês que está em jogo", disse Bolsonaro na sexta-feira (9).
    Presidente Jair Bolsonaro e os presidentes da Câmara, deputado Arthur Lira, e do Senado, senador Rodrigo Pacheco, participam de cerimônia de abertura do ano legislativo no plenário da Câmara dos Deputados
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    Presidente Jair Bolsonaro e os presidentes da Câmara, deputado Arthur Lira, e do Senado, senador Rodrigo Pacheco, participam de cerimônia de abertura do ano legislativo no plenário da Câmara dos Deputados

    Reações às palavras do presidente

    Na sexta-feira (9), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, afirmou que os ataques de Bolsonaro eram "levianos" e "lamentáveis quanto à forma e ao conteúdo".

    O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), por sua vez, disse que não aceitará retrocessos da democracia no país e que "todo aquele que pretender algum retrocesso será apontado pela história como inimigo da nação".

    Neste sábado (10), o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), colocou panos quentes, afirmando que "o nosso compromisso é e continuará sendo trabalhar pelo crescimento e a estabilidade do país".

    ​Por lei, o presidente da Câmara é o responsável por decidir sobre o arquivamento ou a continuidade de pedidos de impeachment contra o presidente da República.

    Mais:

    Ministério da Defesa diz que fala de Aziz foi 'grave'; Bolsonaro apoia posição das Forças Armadas
    'Estamos há 2,5 anos sem corrupção', diz presidente Bolsonaro em meio a denúncias de irregularidades
    Brasil assume presidência do Mercosul com Bolsonaro fazendo duras críticas à Argentina
    'Não vou responder nada': diz Bolsonaro após carta enviada pela CPI pedindo confirmação de denúncias
    Tags:
    Jair Bolsonaro, governo bolsonaro, democracia, eleição, eleições, urnas, voto impresso, Senado Federal, Câmara Federal, Luís Roberto Barroso, Rodrigo Pacheco, Arthur Lira
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar