16:11 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    12315
    Nos siga no

    Rodrigo Pacheco (DEM-MG) concedeu entrevista coletiva horas após o presidente Jair Bolsonaro, sem apresentar provas novamente, afirmar que a fraude eleitoral está no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

    O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou nesta sexta-feira (9) que não aceitará retrocessos da democracia no país, em resposta às declarações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre as eleições.

    Pacheco disse que "todo aquele que pretender algum retrocesso será apontado pela história como inimigo da nação" e, em nome do Legislativo, defendeu que o Parlamento "não admitirá qualquer ato contrário à democracia", citado pelo jornal Metrópoles.

    Pacheco concedeu entrevista coletiva horas após Bolsonaro, sem apresentar provas novamente, afirmar que a fraude eleitoral está no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O presidente do Senado destacou a importância da separação entre os poderes.

    "Uma separação que definitivamente não signifique desunião, mas que signifique o respeito de cada poder em relação ao outro naquilo que toca a atribuição do outro […]. E quero aqui afirmar a independência do Parlamento brasileiro."

    Pacheco acrescentou que o Congresso não pode admitir qualquer tipo de fala ou de ato "que seja atentatório à democracia ou que estabeleça um retrocesso naquilo que, repito, a geração antes da minha conquistou e que é nossa obrigação manter, que é a democracia no nosso país".

    O presidente da República Jair Bolsonaro (ao centro) e os presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas-AL), e do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), durante declaração à imprensa, com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, à esquerda
    O presidente da República Jair Bolsonaro (ao centro) e os presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas-AL), e do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), durante declaração à imprensa, com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, à esquerda

    Bolsonaro defende voto impresso

    Na manhã desta sexta-feira (9), O presidente Jair Bolsonaro voltou a colocar em dúvida a segurança das urnas eletrônicas, mas sem apresentar provas. Bolsonaro ainda ofendeu o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso.

    Em defesa ao voto impresso, o presidente da República chamou Barroso de "imbecil" e "idiota" e afirmou que houve "fraude" e "roubalheira" nas eleições presidenciais de 2014.

    Mais:

    Ministério da Defesa diz que fala de Aziz foi 'grave'; Bolsonaro apoia posição das Forças Armadas
    Brasil assume presidência do Mercosul com Bolsonaro fazendo duras críticas à Argentina
    'Não vou responder nada': diz Bolsonaro após carta enviada pela CPI pedindo confirmação de denúncias
    Nova pesquisa Datafolha: Lula amplia vantagem sobre Bolsonaro no 1º e 2º turnos das eleições 2022
    Tags:
    voto impresso, urnas, eleições, eleições, Luís Roberto Barroso, Senado Federal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar