07:34 02 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    91016
    Nos siga no

    Seguindo a privatização da Eletrobras, governo quer agilizar processo de privatização dos Correios para que não aconteça "um desastre no orçamento", segundo secretário do Ministério da Economia.

    Em informação confirmada hoje (6) por Diogo Mac Cord, secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, foi divulgado o modelo de privatização dos Correios, com o qual se pretende desfazer de 100% do capital da estatal, segundo o UOL.

    Após conseguir aprovar a privatização da Eletrobras, o governo quer votar com urgência na Câmara o projeto de privatização dos Correios antes do recesso parlamentar, sendo a data ideal para votação entre 12 e 15 de julho, de acordo com a mídia.

    "Por isso é tão importante votar na Câmara antes do recesso. Se não, o cronograma começa a ficar comprometido. O projeto precisa estar resolvido até agosto. Publicamos o edital em dezembro para que a licitação ocorra em março", declarou o secretário.

    Na visão do secretário, mediante dados apresentados em um estudo do BNDS (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), "os Correios precisam ser privatizados, sob pena de desastre no orçamento".

    Os dados teriam apontado que a empresa não tem tecnologia, tem baixa produtividade e que o faturamento no ano passado caiu 6% em relação a 2019.

    Ainda segundo Cord, não há valor previsto para a privatização, mas pretensão é vender o controle da empresa de forma integral, em um leilão tradicional, "com abertura de envelopes". O comprador levaria ativos e passivos da companhia.

    Mais:

    Guedes lista venda de 9 estatais em 2021, incluindo Correios e Eletrobras, diz jornal
    Câmara aprova texto-base de MP da privatização da Eletrobras
    Monopólio postal dos Correios: sindicalista e advogado mostram os 2 lados da disputa no STF
    Tags:
    Eletrobras, Ministério da Economia do Brasil, privatização, Correios
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar