07:21 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil lidando com COVID-19 no início de junho de 2021 (42)
    184
    Nos siga no

    Apesar do ex-ministro dizer que só teve conhecimento sobre o colapso de oxigênio em Manaus, no Amazonas, no dia 10, novas provas da Polícia Federal apontam que Pazuello recebeu notificação do governo amazonense cinco dias antes.

    Ao reunir novas evidências sobre a crise de oxigênio que aconteceu em Manaus em janeiro, a Polícia Federal descobriu que tanto o ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, quanto o Exército da Amazônia, haviam sido alertados cinco dias antes pelo governo do estado sobre o colapso e não atenderam ao pedido de socorro, de acordo com a Folha de São Paulo.

    De acordo com a mídia, o ofício teria sido enviado a Pazuello e ao comandante militar da Amazônia, general Theophilo Oliveira, no dia 9 de janeiro e assinado pelo governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC).

    No documento, o governador destaca a necessidade de oxigênio diante da alta de infecção pelo vírus da COVID-19 e do aumento dos casos de internação, com "súbito aumento no consumo" do insumo. Além desses alertas, o ofício aponta para a "iminência de esgotamento" e para a "necessidade de resguardar a vida dos pacientes" no estado, segundo a mídia.

    No dia 12 de janeiro, novo ofício teria sido enviado a Pazuello, que recebeu novamente aviso de que o consumo havia mais do que triplicado, com outro pedido do governo do estado para serem enviados geradores de oxigênio e microusinas. Segundo a mídia, não houve registro de transporte das solicitações citadas antes do colapso do dia 14.

    Com a não resposta do governo ao pedido de socorro, a população teve que correr para comprar cilindros para parentes hospitalizados em Manaus, AM, 18 de janeiro de 2021
    © REUTERS / Bruno Kelly
    Com a não resposta do governo ao pedido de socorro, a população teve que correr para comprar cilindros para parentes hospitalizados em Manaus, AM, 18 de janeiro de 2021

    Em depoimento na CPI da Covid, em 19 de maio, o ex-ministro afirmou que só teve conhecimento da falta de oxigênio na noite do dia 10 de janeiro, em reunião com o governador e o secretário de Saúde do Amazonas.

    A mídia conta que tentou entrar em contado com a defesa de Pazuello, mas a mesma afirmou que ele "não está se manifestando sobre o assunto". Exército, Aeronáutica e Ministério da Defesa também não responderam aos questionamentos da Folha.

    A existência de novos ofícios, com alertas e pedidos de ajuda detalhados, foi descoberta no curso das investigações da PF, em inquérito aberto por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). Uma cópia do inquérito foi enviada à CPI da Covid, segundo a mídia.

    Tema:
    Brasil lidando com COVID-19 no início de junho de 2021 (42)

    Mais:

    Exército decide não punir Pazuello por participação em evento de motoqueiros com Bolsonaro
    'Venezuela tenta aprofundar laços com o Brasil ao enviar oxigênio para Manaus', avalia especialista
    Só em 2121: Exército bloqueia acesso ao processo administrativo de Pazuello por 100 anos
    Tags:
    oxigênio, colapso, Manaus, COVID-19, Eduardo Pazuello
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar