00:55 15 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil lidando com COVID-19 no início de junho de 2021 (42)
    3717
    Nos siga no

    Segundo a OMS, para frear a pandemia no mundo, será necessário esforços de países emergentes, como o Brasil. Organização alerta que espera contribuições brasileiras, e não só pedidos.

    A OMS (Organização Mundial da Saúde) pressiona governo brasileiro para destinar US$ 250 milhões (R$ 1,26 bilhão) para acelerar os esforços internacionais no combate à pandemia da COVID-19.

    A organização conta com recursos de economias ricas, principalmente países que fazem parte do G7, porém, a mesma afirma que também precisará de apoio financeiro de grandes países emergentes, entre eles China, Índia e Brasil, para conseguir fechar a conta, segundo o UOL.

    Em uma recente reunião entre o chanceler brasileiro, Carlos França, e o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, o último pediu para o Brasil "assumir" a liderança internacional que tradicionalmente desempenhou em temas de saúde no mundo.

    Até o momento, o Itamaraty não se comprometeu com o pedido de recursos financeiros, porém, o Ministério da Saúde disse que quer contribuir com a exportação de vacinas, mas apenas quando a produção nacional estiver em um patamar mais elevado e quando uma maior parte da população brasileira estiver vacinada.

    Ao todo, já foram registradas 174 milhões de pessoas infectadas em todo mundo pelo vírus da COVID-19, segundo o Our World Data
    © AP Photo / Emilio Morenatti
    Ao todo, já foram registradas 174 milhões de pessoas infectadas em todo mundo pelo vírus da COVID-19, segundo o Our World Data

    O recado de Ghebreyesus teria como objetivo alertar que a OMS espera contribuições do país, e não apenas pedidos, segundo a mídia. Entretanto, não há qualquer data estabelecida ou previsão para o início de uma ajuda brasileira ao esforço internacional.

    Durante o final de semana, uma centena de ex-chefes de Estado e de governos pelo mundo enviaram uma carta aos líderes do G7 apelando para que os países banquem uma operação global de imunização, para que assim, a pandemia seja abreviada, de acordo com o UOL.

    O Brasil é o segundo país do mundo com maior dívida com a ONU, superado apenas pelos EUA, e também chegou a registrar um atraso em pagamentos para a OMS que beiravam a marca de US$ 30 milhões (R$ 151 milhões), escreve a mídia.

    Tema:
    Brasil lidando com COVID-19 no início de junho de 2021 (42)

    Mais:

    Funcionário da OMS ligado ao laboratório de Wuhan agradece Fauci por negar vazamento do vírus
    OMS diz que não foi consultada para realização da Copa América no Brasil
    'É excelente!', diz Marcos Pontes à Sputnik sobre aprovação de uso emergencial da CoronaVac pela OMS
    Tags:
    Itamaraty, OMS, pandemia, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar