20:26 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil lidando com COVID-19 no início de junho de 2021 (42)
    181336
    Nos siga no

    No domingo (6), a Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom) atacou a revista britânica The Economist, após uma reportagem especial sobre o Brasil abordar temas como economia, corrupção, Amazônia e perspectivas.

    A Secom atacou a revista britânica com uma sequência de 23 tuítes, contudo, em uma das críticas do governo Bolsonaro, a secretaria traduziu incorretamente o texto, e citou erroneamente que a mídia britânica estaria apoiando a "eliminação" do presidente, quando na verdade o termo utilizado foi "derrotá-lo nas urnas".

    "A revista The Economist enterra a ética jornalística e extrapola todos os limites do debate público [...] Com o objetivo de atacar o presidente da República e influenciar os rumos políticos do Brasil, destila uma retórica de torcida organizada e acaba, na verdade, atacando o intenso trabalho do governo do Brasil, a autonomia da nação e os brasileiros", afirmou a Secom em seu Twitter.

    Entretanto, em sua matéria a revista britânica afirmou que o país precisa passar por reformas, caso queira combater a corrupção e proteger a Amazônia, contudo isso provavelmente não ocorrerá enquanto Bolsonaro estiver no poder.

    ​Poucos países caíram tão rápido como o Brasil. Nossa cobertura na América Latina desta semana argumenta que para o Brasil se recuperar, ele precisa reconhecer o que saiu errado.

    A edição também criticou o estado da saúde pública no país, que já estava decadente antes mesmo da pandemia, além da falta de investimento no combate à COVID-19, vacinação, auxílio emergencial, geração de empregos e crescimento do PIB brasileiro, conforme a Folha de São Paulo.

    A Secom afirmou que uma "retórica insana" da revista teria como objetivo desmerecer todo o trabalho realizado pelo governo brasileiro, declarando que o texto é um "panfletarismo juvenil", que qualifica o presidente como um ditador que estaria matando o próprio povo, seus apoiadores estariam dispostos à guerra civil e o Exército estaria pronto a intervir caso o presidente perca as próximas eleições.

    Tema:
    Brasil lidando com COVID-19 no início de junho de 2021 (42)

    Mais:

    Novo mandatário: sonho da política externa do Brasil de aderir à OCDE pode se tornar realidade?
    'Foi antipatia', diz especialista sobre UE ter ignorado Brasil durante inauguração de cabo submarino
    Biden anuncia que doará 80 milhões de doses de vacinas em todo o mundo; Brasil está na lista
    Tags:
    COVID-19, revista, negligência, corrupção, Brasil, governo, Jair Bolsonaro, Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar