07:01 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    162
    Nos siga no

    Presidente da CPI diz que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, não consegue estabelecer diálogo livre com o governo e que o Ministério da Saúde acabou virando um "puxadinho do Palácio do Planalto". 

    Nesta quinta-feira (3), o presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que as recomendações do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, são ignoradas pelo governo federal, e que Queiroga "discursa para o deserto", segundo a CNN Brasil.

    "Ele [Queiroga] fala, mas ninguém ouve. O governo não ouve o ministro. Isso tem acontecido até na montagem da equipe dele. Ele tenta levar uma profissional preparada, formada nessa área e ela [Luana Araújo] nos diz lá [na CPI] que não tem ninguém desta área no ministério hoje, da área de infectologia", disse Aziz citado pela mídia.

    Ao se referir a Luana Araújo, o presidente da CPI quis ilustrar um caso que demonstra o fato de o governo não dar ouvido a especialistas na área da saúde, já que Araújo foi demitida dez dias após sua nomeação no Ministério da Saúde.

    "É muito complicado para o ministro tocar aquilo que é necessário para o Brasil", afirmou Aziz, complementando que o Ministério da Saúde acabou virando um "puxadinho do Palácio do Planalto". 

    O parlamentar ainda rechaçou as críticas que têm sofrido de que estaria torcendo contra o governo do presidente, Jair Bolsonaro.

    "Eu queria tanto que o presidente, ao invés de fazer brincadeiras naquele cercadinho, ofender jornalista, ofender político, ofender todo mundo, que ele dissesse que comprou 50 milhões de vacinas", declarou Aziz.

    Mais:

    CPI da Covid: Yamaguchi confirma ter sido 'convidada eventual' em reuniões do Ministério da Saúde
    CPI da Covid: médica vetada na secretaria de Enfrentamento à pandemia é contra uso da cloroquina
    CPI da Covid: resposta do governo à pandemia ou novo 'teatro' do Brasil?
    Tags:
    COVID-19, Ministério da Saúde, Marcelo Queiroga, CPI da Covid
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar