00:38 24 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    O desemprego no Brasil subiu para 14,7% no 1º trimestre de 2021 e agora atinge 14,8 milhões de pessoas, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados nesta quinta-feira (27).

    É a taxa mais alta e o maior contingente de desocupados já registrados pela série histórica do IBGE, iniciada em 2012.

    No levantamento anterior, referente ao trimestre encerrado em fevereiro, a taxa de desemprego estava em 14,4% e atingia 14,4 milhões de brasileiros, quantidade recorde até então.

    Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad).

    Em um ano, são quase dois milhões a mais de desempregados. No primeiro trimestre de 2020, a taxa de desocupação era de 12,2%, com 12,9 milhões de pessoas sem emprego.

    Em comparação com o quarto trimestre do ano passado, quando a taxa registrada era de 13,9%, são mais 880 mil pessoas que passaram a procurar emprego.

    Movimento em agência de emprego em Campinas, no interior de São Paulo, no dia 7 de abril de 2021
    © Folhapress / Denny Cesare
    Movimento em agência de emprego em Campinas, no interior de São Paulo, no dia 7 de abril de 2021

    A população ocupada, de 85,7 milhões de pessoas, ficou estável em relação ao trimestre móvel anterior, mas é 7,1% menor que o mesmo trimestre de 2020, com 6,6 milhões de pessoas a menos no mercado de trabalho.

    A taxa composta de subutilização subiu de 28,7% para 29,7% frente ao trimestre móvel anterior, encerrado em fevereiro. Com isso, o contingente de pessoas subutilizadas no país chegou a 33,2 milhões, também um recorde da série histórica.

    Mais:

    Dólar deve continuar caindo lentamente, mas é preciso cautela, diz economista
    Melhora precisa ser estrutural para tornar clima econômico favorável, avalia especialista
    'Não há dúvida de uma retomada econômica no Brasil, embora muito tímida', avalia economista
    Tags:
    Pnad Contínua, pesquisa, dados, IBGE, Brasil, economia, desemprego
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar