13:24 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil em meados de maio (48)
    952
    Nos siga no

    Em depoimento à CPI da Covid nesta quarta-feira (19), o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello negou que o presidente Jair Bolsonaro interferisse na atuação da pasta. 

    Segundo o ex-ministro, o chefe de Estado nunca deu ordens diretas para que Pazuello mudasse a conduta de sua gestão. O militar comandou a pasta da Saúde durante a fase mais crítica da pandemia, entre maio de 2020 e março de 2021.

    "Em momento nenhum o presidente me deu ordem para fazer diferente do que eu já estava fazendo", afirmou Pazuello. 

    A resposta foi dada ao senador Renan Calheiros (MDB-AL), que questionou se Bolsonaro pedia para o Ministério da Saúde se posicionar a favor de temas como o tratamento precoce contra a COVID-19. 

    "O presidente nunca me deu ordens diretas para nada", garantiu Pazuello.

    A fala de ex-ministro, no entanto, entra em contradição com declaração do próprio Pazuello, que, em outubro de 2020, após ser desautorizado por Bolsonaro em relação à compra da vacina CoronaVac, afirmou, ao lado do presidente, que "um manda, o outro obedece". 

    Na ocasião, pouco depois de ser anunciado acordo do governo federal para aquisição do imunizante fabricado na China em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo, Bolsonaro afirmou que a compra não seria feita. O chefe de Estado disse à época que os brasileiros não seriam "cobaias" da vacina chinesa. 

    CoronaVac: 'Posição dele não interferiu'

    Em seu depoimento à CPI, Pazuello disse que a frase representa "jargão militar, apenas uma posição de internet e mais nada". Segundo o militar, Bolsonaro nunca falou sobre a recusa diretamente com ele ou com o Ministério da Saúde.

    "Ele falou publicamente, para o ministério ou para mim [não disse] nada. Só havia termo de intenção de compra e foi mantido. Uma postagem na Internet não é uma ordem. Ordem nunca foi dada", disse o ex-ministro. "Nunca o presidente mandou eu desfazer qualquer contrato ou acordo com o Butantan. O presidente também se posiciona como agente político. A posição dele não interferiu em nada no diálogo com o Butantan", acrescentou.
    Tema:
    COVID-19 no Brasil em meados de maio (48)

    Mais:

    CPI da Covid: para senadores, depoimento de Ernesto Araújo 'compromete' Pazuello
    CPI da Covid ouve Pazuello: vamos 'esclarecer a verdade', diz general
    CPI: Pazuello diz que Brasil optou por mínimo de doses com COVAX porque contrato tinha 'risco'
    Tags:
    Vacina CoronaVac, novo coronavírus, pandemia, COVID-19, CPI, Jair Bolsonaro, Eduardo Pazuello
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar