06:26 19 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    7153
    Nos siga no

    Com a chegada do clima seco ao Brasil, o que representa para os produtores rurais brasileiros a preferência da China pelos EUA? Para o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), há oportunidades nesta história que o agronegócio pode aproveitar.

    Nesta semana, o presidente do Brasil fez um pronunciamento que quase passou despercebido da grande mídia em razão da quantidade de problemas que o país enfrenta. Jair Bolsonaro falou há três dias que o país está diante da maior crise hidrológica de sua história.

    O clima seco no Brasil forçou a China a comprar grãos, principalmente milho, dos Estados Unidos, o que impulsionou os preços globais. Atrasos no plantio prejudicaram a safra nacional, e como resultado, a China foi às compras nos EUA.

    Para entender os efeitos desta situação, a Sputnik Brasil conversou com José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB). O especialista falou sobre o recente seca no país, e comentou a explosão nos preços das commodities.

    O que representa a preferência da China pelos EUA?

    José Augusto de Castro explicou que "os EUA sempre foram os principais exportadores do mundo", e o Brasil, até pouco tempo, "atendia apenas sua demanda doméstica, o seu mercado interno". Com o passar do tempo, disse o especialista, o Brasil passou a exportar mais milho, até ser um exportador mundial deste produto.

    Em seguida, José Augusto avaliou que, "na verdade, essa preferencia chinesa pelos EUA é uma volta ao passado". Ele comentava a notícia de que os exportadores dos EUA venderam 680 mil toneladas de milho à China para entrega no ano comercial que começa em 1º de setembro, segundo informações do Departamento de Agricultura dos EUA na terça-feira (11).

    Membro da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) , Vilmar Alves Mota (ou Parazinho), caminha em uma plantação de milho, em Garapuava, Minas Gerais
    © AFP 2021 / Beto Barata
    Membro da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) , Vilmar Alves Mota (ou Parazinho), caminha em uma plantação de milho, em Garapuava, Minas Gerais

    "Ocorre que, neste ano especificamente, nós tivemos uma frustração de safra nos EUA e uma seca que atingiu a produção brasileira. Com isso, o Brasil deixou de ter produtos disponíveis para exportar para a China. Há dez anos, o Brasil não exportava milho. Então, o que nós estamos vendo hoje é uma volta da China aos EUA", disse o especialista, enfatizando que isto deveria ser visto como algo normal.

    Ele ainda enfatizou que, por um lado, isso é bom para os exportadores brasileiros, "pois a demanda da China pressiona os preços para cima. Então os exportadores terão um ganho extra". As compras da China pressionam a oferta global e já fizeram crescer os preços para o nível mais alto em oito anos.

    Em uma publicação em suas redes sociais, o economista Gilberto Borça, do Instituto de Economia da UFRJ, apresentou o ciclo das commodities no Brasil nas últimas duas décadas.

    ​'Não foi uma decisão política'

    José Augusto de Castro entende que "quase todas as negociações com a China, o maior importador do mundo, são analisadas sob o aspecto comercial, mas muitas vezes também sob o aspecto político".

    Desta vez, contudo, o especialista não acredita que haja um componente político por trás da decisão chinesa: "Não acho que desta vez tenha alguma relação com a política. O mundo, quando quiser comprar milho, terá três vendedores: EUA, Brasil e Argentina. Portanto, não há qualquer aspecto político nesta decisão da China".

    A China busca comprar milho no Ocidente porque seus plantéis de suínos se recuperam mais rápido do que o esperado da peste suína africana. Fazendas profissionais estão substituindo as operações de menor porte, o que leva a uma maior demanda por grãos para ração.

    José Augusto de Castro ainda disse que "as commodities, de uma forma geral, são o principal destino das exportações brasileiras. Neste ano, inclusive, as dez principais commodities do Brasil representam 60% das nossas exportações".

    Neste sentido, ele ainda disse que "a China é o nosso maior importador, e representa 34% das nossas exportações". Por fim, ele destacou a soja, o minério de ferro, o petróleo, a carne bovina, a celulose e o açúcar como itens que invariavelmente estão na balança comercial entre os países. "Basicamente, a China está sempre pronta para comprar matéria-prima", afirmou.

    Embarcação recebe contêineres em porto dos EUA em direção à China
    © AP Photo / Stephen B. Morton
    Embarcação recebe contêineres em porto dos EUA em direção à China

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Vice-presidente da SNA: agricultura familiar é 'fundamental' para inserir Nordeste no agronegócio
    OMC sob nova direção: economista avalia perspectivas do agronegócio do Brasil no mercado da UE
    Acordo com Japão pode estimular 'dinamismo do agronegócio brasileiro', diz especialista
    Tags:
    EUA, Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), soja, milho, importação, exportação, China, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar