22:35 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil em meados de maio (48)
    261234
    Nos siga no

    Sem citar o nome de Renan Calheiros (MDB-AL), Bolsonaro utilizou o mesmo xingamento que seu filho, Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), proferiu ao senador ontem (12) durante audiência da CPI da Covid em Brasília.

    O presidente Jair Bolsonaro cumpriu agenda nesta quinta-feira (13) no estado de Alagoas, o reduto político de Renan Calheiros, que é o relator da CPI da Covid no Senado, e governado por seu herdeiro, Renan Filho. A visita de Bolsonaro responde a um convite oficial do prefeito de Maceió, João Henrique Caldas (PSB), um dos principais adversários políticos da família Calheiros no estado, para inaugurar 500 casas de um conjunto residencial, informou o UOL.

    Além do conjunto habitacional, o presidente participa de outras duas solenidades no estado, as inaugurações de um viaduto na capital e do trecho 4 do Canal do Sertão, que faz uma pequena transposição do rio São Francisco, no interior de Alagoas.

    Durante o discurso na inauguração do conjunto habitacional em Maceió, Bolsonaro disse que o que está acontecendo na CPI da Covid "é um crime" e atacou Renan Calheiros, mas sem mencionar o nome do senador.

    "Se Jesus teve um traidor, temos um vagabundo inquirindo pessoas de bem no país. É um crime o que vem acontecendo com essa CPI", afirmou, em aparente alusão a Renan Calheiros, que também foi chamado ontem (13) de "vagabundo" pelo senador Flávio Bolsonaro, durante a audiência da CPI para ouvir o ex-secretário de Comunicação, Fabio Wajngarten, na condição de testemunha.

    Senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) defende o depoente e discute com o relator, Renan Calheiros (MDB-AL) na CPI da Covid
    Marcos Oliveira/Agência Senado
    Senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) defende o depoente e discute com o relator, Renan Calheiros (MDB-AL) na CPI da Covid
    "Sempre tem alguém picareta, vagabundo, querendo atrapalhar o trabalho daqueles que produzem [...]  se quer fazer um show, tentando me derrubar, não o fará. Somente Deus me tira daquela cadeira", acrescentou Bolsonaro.

    Renan Calheiros, por sua vez, se pronunciou durante a audiência desta quinta-feira (13) em Brasília e afirmou que a sua resposta era "aprofundar a investigação" da CPI da Covid. Além disso, Renan disse que a ida de Bolsonaro a seu estado "era uma evidente provocação a esta Comissão Parlamentar de Inquérito". 

    "Acabo de ser informado que Bolsonaro foi a Alagoas em avião presidencial inaugurar obra já inaugurada e me atacar pessoalmente e atacar essa CPI", afirmou o senador, em referência ao viaduto que foi inaugurado e parcialmente liberado para o trânsito pelo governo estadual em dezembro de 2020.

    "Quero dizer, em resposta ao Presidente da República, que o que nos preocupa verdadeiramente é o número de mortes que aconteceu no Brasil. Por favor, pare com essa baixaria", frisou Renan em Brasília.
    Tema:
    COVID-19 no Brasil em meados de maio (48)

    Mais:

    'Bolsolão': jornal denuncia 'esquema' de R$ 3 bilhões de Bolsonaro para compra de deputados
    Raí, ex-jogador, publica artigo em jornal francês com críticas ao presidente Jair Bolsonaro
    Mourão critica regra que permite que Bolsonaro e ministros ganhem acima do teto: 'Não é ético'
    Tags:
    COVID-19, Senado Federal, CPI, Renan Calheiros, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar