02:33 21 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil em meados de maio (48)
    0 190
    Nos siga no

    A Comissão de Relações Exteriores da Câmara aprovou nesta quarta-feira (12) requerimento para que o Itamaraty esclareça se houve ou não pressões dos Estados Unidos para o Brasil não comprar a Sputnik V.

    O documento é iniciativa da deputada Perpétua Almeida (PCdoB/AC). A parlamentar cita informações de relatório publicado pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, revelando que o governo norte-americano pressionou o Brasil a rejeitar a compra da vacina russa. 

    Segundo Perpétua, além de "cuidados básicos de proteção como uso de máscaras, de álcool em gel", do "distanciamento social" e de "dotar o nosso sistema de saúde de condições para atender os doentes", a "grande arma" para conter a pandemia da COVID-19 é a vacina. 

    "A vacinação em massa da nossa população é a medida mais eficaz para salvar vidas e retornar o país a normalidade. Seu atraso, sua lentidão, significa a morte de pessoas e a depressão econômica do país referente às demais nações do mundo”, disse a deputada, segundo nota enviada à Sputnik Brasil. 

    Anvisa

    No final de abril, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu não recomendar a importação excepcional e temporária da vacina russa Sputnik V. A análise dos diretores justificou o posicionamento alegando falta de dados e risco de doenças por falha em fabricação.

    O órgão encaminhou na segunda-feira (10) ao Supremo Tribunal Federal (STF) informações sobre os documentos pendentes para a análise de novo pedido de autorização de importação e distribuição da vacina desenvolvida pelo Instituto Gamaleya.

    Horas antes, o ministro Ricardo Lewandowski deu prazo de 48h para que a Anvisa detalhasse ao Supremo quais documentos faltam para análise definitiva do pedido de importação do imunizante. 

    O governo federal e diversos estados e cidades brasileiras assinaram contratos para a entrega de milhões de doses da Sputnik V. Os desenvolvedores do imunizante negam a existência dos problemas apontados pela Anvisa ao não autorizar o uso da vacina, que está sendo aplicada em dezenas de países do mundo.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil em meados de maio (48)

    Mais:

    Como San Marino está vencendo a guerra contra a COVID-19 graças à Sputnik V
    ONU apela a seus funcionários para se vacinarem com Sputnik V, diz Guterres
    Após determinação de Lewandowski, Anvisa indica ao STF o que falta para análise da Sputnik V
    Tags:
    Itamaraty, EUA, Rússia, Brasil, Câmara dos Deputados, PCdoB, pandemia, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar