10:12 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    5716
    Nos siga no

    Ministro da Economia, Paulo Guedes voltou a comparar nesta terça-feira (11) os servidores públicos com militantes políticos.

    O ministro Paulo Guedes fez novas ilações ao funcionalismo público em audiência pública na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, que analisa a admissibilidade da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma administrativa, a PEC 32.

    Em um primeiro momento, ele defendeu a ausência de concursos públicos dizendo que o governo de Jair Bolsonaro não promove o aparelhamento do Estado.

    "Poderíamos, assim como outros governos, estar abrindo concursos públicos, colocando gente para dentro, para aparelharmos o Estado e termos bastante militantes trabalhando para nós no futuro", disse Guedes, segundo o jornal Estado de São Paulo.

    Para o ministro, funcionários públicos começam "ganhando demais" no início de suas carreiras, além "da estabilidade em pouco tempo de serviço público". A PEC 32 mira esses "benefícios".

    "É preciso entrar com salários comparáveis ao da iniciativa privada. Cada carreira de Estado que vai definir em que momento o novo servidor deve ter aumentos de salários e conquistar a estabilidade pelos serviços prestados".

    Sem explicar como seria imposta uma "meritocracia" aos servidores, ele sugeriu um "modelo em que funcionários são promovidos de acordo com suas qualidades".

    A reforma de Guedes

    Um projeto enviado pelo governo ao Congresso em setembro de 2020 cria cinco tipos de vínculos para os novos servidores. O texto mantém a previsão de realização de concursos, mas também vai permitir ingresso por seleção simplificada para alguns vínculos.

    Para Guedes, as carreiras de Estado não perderão status após a reforma. "Ao contrário, vamos valorizar extraordinariamente os jovens que entrarem no futuro para essas carreiras", completou.

    O ministro considerou ainda que a digitalização de serviços - que reduz a necessidade de pessoal - tem elevado de maneira "extraordinária" a produtividade no serviço público.

    Nas universidades brasileiras, por outro lado, as principais críticas de professores correspondem justamente à digitalização das plataformas de aulas, confusas e insuficientes. Em carta recente publicada no jornal O Globo, a reitora da UFRJ denunciou o sucateamento das universidades no Brasil, com cortes de verbas e demissão de servidores.

    O ministro enfatizou o desafio da modernização do Estado brasileiro, com mais digitalização e eficiência nos serviços, descentralização dos recursos e meritocracia nas carreiras.

    Ministro da Economia, Paulo Guedes, no dia 6 de fevereiro de 2019
    Ministro da Economia, Paulo Guedes, no dia 6 de fevereiro de 2019

    Mais:

    Brasil: ministro Paulo Guedes é vacinado contra a COVID-19 em Brasília
    Interferências do governo em estatais colocam em xeque liberalismo de Paulo Guedes, diz economista
    Paulo Guedes volta a dizer que a China 'inventou o vírus'
    Tags:
    Paulo Guedes, servidores, funcionalismo público, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar