07:34 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    211812
    Nos siga no

    Os 25 mortos durante a operação policial desta quinta-feira (6) no Jacarezinho, no Rio de Janeiro, ainda não foram identificados – mas o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta sexta-feira (7) que eram "todos bandidos".

    Além de 24 civis, um policial civil foi morto. No metrô do Rio de Janeiro, onde aconteceu uma troca de tiros durante a operação, dois passageiros acabaram feridos.

    A declaração de Mourão foi feita a repórteres na chegada do vice-presidente ao Palácio do Planalto.

    "Tudo bandido. Entra um policial numa operação normal e leva um tiro na cabeça em cima de uma laje. Lamentavelmente essas quadrilhas do narcotráfico são verdadeiras narcoguerrilhas, têm controle sobre determinadas áreas", disse o vice-presidente.

    Confira o vídeo da declaração:

    Segundo o governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, a operação policial foi "ação pautada e orientada por longo e detalhado trabalho de inteligência e investigação". A polícia disse que as vítimas eram traficantes, mas não revelou suas identidades e os crimes que teriam cometido.

    "É um problema da cidade do Rio de Janeiro que já levou várias vezes as Forças Armadas a serem chamadas para intervir, é um problema sério do Rio de Janeiro que nós vamos ter que resolver um dia ou outro", disse Mourão.
    Moradores do Jacarezinho, no Rio de Janeiro, se reúnem em manifestação no dia 7 de maio de 2021 após operação policial que deixou 25 mortos na comunidade
    © Folhapress / Carlos Santtos / Fotoarena
    Moradores do Jacarezinho, no Rio de Janeiro, se reúnem em manifestação no dia 7 de maio de 2021 após operação policial que deixou 25 mortos na comunidade

    A operação no Jacarezinho aconteceu a despeito de uma determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), que decretou que, durante a pandemia, ações em comunidades precisam ser comunicadas ao STF. A decisão permite ações apenas em "hipóteses absolutamente excepcionais". 

    A polícia e autoridades do governo estadual argumentam que o decreto prejudica o combate ao crime. O delegado Rodrigo Oliveira, da Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil do Rio de Janeiro, afirmou que "a falta de operação dá um péssimo resultado". 

    Mais:

    FBI cria operação para 'limpar' computadores após ataque cibernético atribuído à China
    PM irmão de Witzel, governador afastado do Rio, é preso em operação de combate ao PCC em SP
    Turquia lança operação militar massiva no norte do Iraque
    Operação Verde Brasil 2 foi eficaz? 'Fiscalização deveria ser muito maior', diz especialista
    Tags:
    tiroteio, violência, operação policial, Brasil, Antônio Hamilton de Martins Mourão, General Mourão, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar