03:21 19 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil enfrentando COVID-19 no início de maio de 2021 (52)
    9321
    Nos siga no

    Após sugerir que a China pratica guerra química e criou o coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro disse que não se referiu à nação asiática, que era país "muito importante" para o Brasil. 

    Em evento no Palácio do Planalto na manhã desta quarta-feira (5), Bolsonaro insinuou que a China pode ter criado o novo coronavírus em laboratório como parte de uma "guerra química".

    "É um vírus novo, ninguém sabe se nasceu em laboratório ou nasceu porque um ser humano ingeriu um animal inadequado. Mas está aí. Os militares sabem que é guerra química, bacteriológica e radiológica. Será que não estamos enfrentando uma nova guerra? Qual o país que mais cresceu seu PIB? Não vou dizer para vocês", disse o presidente. 

    Mais tarde, em entrevista coletiva concedida no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro, ele afirmou que não se referiu à China e que a imprensa tentava criar um "atrito" com o parceiro comercial do Brasil. 

    "Eu não falei a palavra China hoje de manhã. Eu sei o que é guerra bacteriológica, guerra nuclear. Vocês, da imprensa, sabem onde nasceu o vírus. Falem. Muita maldade tentar aí um atrito com um país que é muito importante para nós", afirmou Bolsonaro, que foi ao aeroporto receber o brasileiro Robson Oliveira, que chegou da Rússia após permanecer preso por cerca de dois anos e meio após ser acusado de tráfico de drogas. 

    'Sou muito próximo de Putin'

    O presidente disse ainda que era muito próximo do presidente russo, Vladimir Putin, e que o Brasil nunca se distanciou da China. 

    "Eu sou muito próximo de Putin, eu nunca neguei isso aí. Assim como nós nunca nos distanciamos da China. A China tem os interesses do Brasil, vamos continuar vendendo pra China, o que a China precisa comprar o que nós produzimos aqui", afirmou Bolsonaro, segundo o portal UOL.

    O Brasil depende da China para importar os insumos para a fabricação das vacinas CoronaVac e de Oxford. Atritos do governo brasileiro com o país asiático são apontados como um dos motivos para a dificuldade de entrega desses componentes para a Fiocruz e o Instituto Butantan, onde os imunizantes são produzidos.

    Tema:
    Brasil enfrentando COVID-19 no início de maio de 2021 (52)

    Mais:

    EUA anunciam apoio à quebra de patentes para vacinas contra COVID-19
    Restrições à entrada de viajantes no Brasil são eticamente justificáveis, diz especialista
    Brasil tem 2.791 mortes por COVID-19 em 24h e chega a quase 415 mil óbitos
    Tags:
    COVID-19, pandemia, novo coronavírus, Jair Bolsonaro, Brasil, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar