23:13 10 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    2236
    Nos siga no

    A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ingressou, na noite desta segunda-feira (3), com um pedido de suspeição dos procuradores que atuam no caso da compra de caças suecos durante o governo de Dilma Rousseff.

    Os advogados de Lula sustentam, com base na troca de mensagens entre integrantes da Lava Jato, apreendidas na operação Spoofing, que os indícios sobre irregularidades na compra dos caças foram idealizados pela Lava Jato de Curitiba, dentro de um "plano" que buscava "liquidar" o ex-presidente.

    Segundo acusação do Ministério Público Federal (MPF), o petista participou de negociações irregulares para a compra de 36 caças Gripen, fabricados pela empresa sueca Saab. Os crimes teriam sido praticados entre 2013 e 2015, escreve a CNN. 

    Os advogados de Lula afirmam que as mensagens da Spoofing mostram que, "para fabricar a acusação", "os procuradores recorreram à atuação ilegal da Receita Federal" e construíram "articulações com autoridades norte-americanas". 

    A troca de mensagens da Lava Jato, dizem os advogados, mostra que os procuradores foram colocados em grupos específicos em uma rede social (o Telegram) para tratar do caso dos caças. Eles decidiram levar o caso adiante após uma "revisão" da força-tarefa de Curitiba.

    Ainda de acordo com a defesa, foi nesse contexto que, após uma série de testemunhas serem ouvidas (entre as quais a própria ex-presidente Dilma Rousseff), os procuradores viabilizaram o depoimento do ex-ministro Antonio Palocci. 

    Segundo os advogados, as mensagens mostram que os procuradores de Brasília "combinaram com a Lava Jato de Curitiba até mesmo o conteúdo do depoimento de Antonio Palocci, que foi ouvido como testemunha do juízo".

    "Os procuradores sabiam que Lula e seu filho não praticaram irregularidades quanto à compra dos caças, mas decidiram levar adiante a acusação, com revisão dos procuradores da Lava Jato", diz a defesa.

    Em Linkoping, na Suécia, a então presidente do Brasil Dilma Rousseff (PT) participa de apresentação do caça Gripen durante visita à SAAB, em 19 de outubro de 2015
    © Foto / Roberto Stuckert Filho/PR
    Em Linkoping, na Suécia, a então presidente do Brasil Dilma Rousseff (PT) participa de apresentação do caça Gripen durante visita à SAAB, em 19 de outubro de 2015

    O processo contra Lula

    No processo, o petista Luiz Inácio Lula da Silva é acusado de tráfico de influência, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Segundo a acusação do Ministério Público Federal (MPF), Lula teria participado de negociações irregulares para a compra de 36 caças Gripen da SAAB, durante a gestão da ex-presidente Dilma Rousseff.

    A investigação já ouviu testemunhas importantes, como os ex-presidentes franceses François Hollande e Nikolas Sarkozy.  No dia 27 de maio, Lula será interrogatório na 10º Vara Federal, em Brasília.

    Mais:

    Venezuela precisa de novas aeronaves para conter caças Gripen do Brasil, segundo revista americana
    FOTOS e VÍDEO mostram 1º voo do caça Gripen da FAB nos céus do RJ
    Orgulho da FAB: caça Gripen começa fase de testes supersônicos no Brasil
    Tags:
    MPF, combate à corrupção, corrupção ativa, corrupção, Operação Lava Jato, Dilma Rousseff, caça, Gripen E, Gripen, Lula, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar