17:55 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil afronta COVID-19 no fim de abril de 2021 (62)
    5520
    Nos siga no

    O governo federal brasileiro deixou de aceitar 11 ofertas de fornecimento de vacinas contra a COVID-19 ao longo da pandemia. Todas foram propostas formais de compra de imunizantes.

    De acordo com a informação publicada pelo Blog do Octavio Guedes, no G1, o número leva em conta apenas os episódios em que há comprovação documental da omissão do governo.

    O caso, segundo a publicação, será levado por senadores à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid, que foi instalada na manhã desta terça-feira (27).

    Ao todo, seis são referentes à CoronaVac, vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e produzida no Brasil pelo Instituto Butantan.

    Segundo o blog, há três ofícios assinados pelo diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, oferecendo o imunizante ao governo do presidente Jair Bolsonaro. Os dois primeiros, de 30 de julho e de 18 de agosto do ano passado, ficaram sem resposta.

    O terceiro, de 7 de outubro, foi entregue pessoalmente por Covas ao então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, mas o acordo também não avançou.

    Trabalhadores da Saúde preparam doses da vacina CoronaVac durante a vacinação para pessoas de 71 anos ou mais no Rio de Janeiro, no Brasil, no dia 31 de março de 2021
    © REUTERS / Ricardo Moraes
    Trabalhadores da Saúde preparam doses da vacina CoronaVac durante a vacinação para pessoas de 71 anos ou mais no Rio de Janeiro, no Brasil, no dia 31 de março de 2021

    O Butantan chegou a realizar três videoconferências com integrantes do Ministério da Saúde para fazer a oferta. Mesmo assim, o negócio não se concretizou.

    O governo deixou ainda de aceitar três ofertas formais feitas pelo laboratório Pfizer e dois convites para participar do consórcio da COVAX Facility.

    No caso da Pfizer, apenas na primeira proposta, a farmacêutica havia colocado à disposição do Brasil 70 milhões de doses, que seriam entregues em dezembro de 2020.

    No consórcio da COVAX Facility, a oferta era para o Brasil adquirir 212 milhões de doses, segundo o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, conforme publicado pelo blog.

    O governo federal decidiu aderir somente no terceiro convite e com pedido de redução da quantidade de doses para 42,5 milhões. A maior parte tem previsão de entrega para o segundo semestre.

    Tema:
    Brasil afronta COVID-19 no fim de abril de 2021 (62)

    Mais:

    Brasil: 1/4 dos municípios está sem vacina para aplicar 1ª dose, aponta levantamento
    Por unanimidade, Anvisa decide não recomendar importação da vacina russa Sputnik V
    RFPI vê razões políticas por trás da decisão da Anvisa sobre vacina russa Sputnik V
    Tags:
    Eduardo Pazuello, governo federal, Jair Bolsonaro, Pfizer, Vacina CoronaVac, vacinação, vacina, novo coronavírus, pandemia, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar