20:15 17 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil afronta COVID-19 no fim de abril de 2021 (62)
    1112
    Nos siga no

    A economia digital é uma realidade no país. O governo federal, por meio de uma parceria com o Banco do Brasil, quer levar Internet para 500 municípios do interior. Entrevistado pela Sputnik, professor da UFF garante: "Nossa tecnologia é cerca de 20 vezes mais barata".

    O Ministério das Comunicações quer expandir o Programa Wi-Fi Brasil. Para isso, adotou uma parceria com o Banco do Brasil (BB) para beneficiar até 500 municípios no interior do país, que receberão pontos gratuitos de Internet de alta velocidade.

    A ideia do governo federal é elevar para cerca de 3,5 mil o número de cidades atendidas pelo programa. Para Luiz Claudio Schara Magalhães, professor de engenharia da UFF (Universidade Federal Fluminense), a ideia é muito bem-vinda, e a universidade pode ajudar.

    Em entrevista à Sputnik, o professor falou sobre o programa do Ministério das Comunicações, e elogiou a inclusão digital promovida pela novidade. Em sua opinião, "a Internet é esse grande integrador e melhora as possibilidades para as pessoas que são empreendedoras de realizar seus objetivos".

    Giovana, de 9 anos, faz sua lição de casa na zona rural de São José dos Campos, Brasil, 14 de julho de 2020
    © AP Photo / Andre Penner
    Giovana, de 9 anos, faz sua lição de casa na zona rural de São José dos Campos, Brasil, 14 de julho de 2020

    Importância de levar um sinal gratuito

    O Banco do Brasil deixou claro que o acesso à web nas pequenas cidades do país (contempladas pelo programa) será feito via satélite. A medida deverá atender escolas, postos de saúde, unidades de segurança pública, aldeias indígenas, quilombos, assentamentos rurais e outros equipamentos públicos.

    Luiz Claudio Schara explicou que "é importante nós separarmos o problema da interiorização do acesso à Internet em duas partes. A primeira é a rede de acesso, que permite ao usuário final se conectar com a Internet. Nesse caso, realmente o Wi-Fi é a melhor tecnologia para ser usada atualmente. É melhor que o 5G porque permite redes mais flexíveis". 

    Moradores de comunidade ribeirinha do Pará recebem alimentos entregues pela Marinha do Brasil
    © Foto / Divulgação / Marinha do Brasil
    Moradores de comunidade ribeirinha do Pará recebem alimentos entregues pela Marinha do Brasil
    Uma outra questão, aponta o professor, "é como chegar a ligação com a Internet no interior. Obviamente, o satélite tem um problema sério: um atraso muito grande". Ele entende que essa questão pode ocasionar problemas para determinados tipos de atividades, como jogos on-line e outras atividades que demandam uma conectividade mais rápida.

    O especialista comentou, por outro lado, que "levar fibra ótica é muito caro", principalmente para regiões mais afastadas de centros urbanos. Por esta razão, ele avalia como positiva as intenções e a forma como o governo federal pretende levar as benesses da Internet: "A conexão de satélite é perfeita para lugar sem infraestrutura", comentou.

    Alunos participam de aula na Escola Municipal Olívia dos Santos Feierabend, na zona rural de Monteiro Lobato
    © Folhapress / Rafael Hupsel
    Alunos participam de aula na Escola Municipal Olívia dos Santos Feierabend, na zona rural de Monteiro Lobato

    A questão financeira

    Questionado se em termos de recursos há necessidade de investimentos pesados para que o Programa Wi-Fi Brasil seja executado, o professor apresentou uma solução inesperada. Ele ressaltou um projeto da própria Universidade Federal Fluminense, que conseguiu desenvolver uma tecnologia para baratear o custo da implantação de um sistema de Wi-Fi. "Nossa tecnologia é cerca de 20 vezes mais barata", comentou.

    Em São Paulo, crianças e moradores da favela de Heliópolis interagem durante instalação de pontos de Internet pela Central Única das Favelas, em 11 de setembro de 2020
    © Folhapress / Marlene Bergamo
    Em São Paulo, crianças e moradores da favela de Heliópolis interagem durante instalação de pontos de Internet pela Central Única das Favelas, em 11 de setembro de 2020

    Em seguida, ele explicou que "é preciso entender que a conexão via satélite é a forma mais barata de levar Internet imediatamente, sem grandes investimentos. É preciso uma estação rádio-base, para fazer o upload e o download do satélite, uma antena parabólica, que não é um equipamento custoso, e o segundo equipamento da equação, que é o próprio Wi-Fi".

    'A Internet gratuita depende também da interação das pessoas'

    Luiz Claudio Schara avalia que o uso da Internet gratuita depende do envolvimento das pessoas. "É melhor capacitar as pessoas e permitir o suporte local" para ter um sistema sustentável do que fazer medidas pontuais, "como instalar equipamentos e deixar lá", à mercê do tempo.

    Neste sentido, o governo federal sustenta que, além do acesso à rede Wi-Fi, a parceria com o Banco do Brasil prevê a capacitação de clientes para o mundo digital, consultoria em educação financeira e uso dos serviços bancários por produtores rurais. Palestras e seminários de educação financeira estão no cronograma e serão usados para promover cursos voltados ao empreendedorismo.

     Em sinal de trânsito na avenida PE-15, em Olinda, artista de rua se apresenta e entregador de aplicativo delivery aguarda o sinal abrir
    © Folhapress / MyPhoto Press
    Em sinal de trânsito na avenida PE-15, em Olinda, artista de rua se apresenta e entregador de aplicativo delivery aguarda o sinal abrir

    O professor comentou este caráter econômico do projeto do Ministério da Comunicação. Ele avalia que a tecnologia permite que mais indivíduos usem a Internet, e "é possível capacitar pessoas mesmo no interior para trabalhar remotamente", como se tem visto durante a pandemia. "Uma pessoa no interior de Goiás pode trabalhar para uma empresa na Inglaterra", comentou. 

    "Essa parte de poder trabalhar remotamente é muito interessante para lugares extensos como o Brasil", concluiu.

    O sonho de um Brasil conectado

    De acordo com o Ministério das Comunicações, o Programa Wi-Fi Brasil instalou 13.213 pontos de Internet via satélite, banda larga, gratuita e de alta velocidade por todo o país até meados de março deste ano, beneficiando cerca de 8,5 milhões de habitantes. 

    Sua expansão prevê a disseminação do uso de serviços bancários pela Internet por produtores rurais. Desta forma, um fazendeiro não precisará ir a uma agência bancária para fazer transações, podendo resolver a maior parte dos problemas por meio do aplicativo do banco para o celular.

    O presidente Jair Bolsonaro em videochamada com o ministro das Comunicações, Fábio Faria, no dia 9 de abril de 2021
    O presidente Jair Bolsonaro em videochamada com o ministro das Comunicações, Fábio Faria, no dia 9 de abril de 2021

    Luiz Claudio Schara é um entusiasta deste caráter empreendedor do projeto do Ministério da Comunicação. "Eu acredito que vai ser muito bom para os produtores rurais, porque expande as possibilidades para este segmento. Essa ideia dos bancos digitais, por exemplo, permite que as pessoas possam poupar o seu dinheiro, e não colocando debaixo do seu colchão, mas em uma poupança que entre para o sistema produtivo", afirmou.

    Ele também enalteceu o trabalho remoto e a grande classe de profissionais independentes que surgiu principalmente com a expansão da Internet no período da pandemia. Ele entende que a conectividade digital permite aos microempreendedores, como pedreiros e eletricistas, se aproximar do mercado de trabalho e outras fontes de renda, por meio de anúncios em aplicativos.

    Para ele, os serviços digitais no Brasil se encontram em fase satisfatória, de desenvolvimento, mas "ainda é preciso avançar mais na interiorização da Internet". Questionado sobre a possibilidade de vivermos em país conectado, ele disse que "é um sonho" que merece se tornar realidade. "Teremos patamares diferentes de Internet, em razão do uso dos cabos, da fibra ótica, dos satélites". Mas, ainda assim, apesar dos atrasos, "isso permite várias coisas, como o acesso aos mercados mundiais".

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Brasil afronta COVID-19 no fim de abril de 2021 (62)

    Mais:

    Anatel aprova edital para leilão do 5G no Brasil e autoriza participação da Huawei
    Internet do futuro: cientistas fazem teletransporte quântico de dados pela 1ª vez a longa distância
    Nova era da Internet: cientistas transmitem informações quânticas usando drones
    Castores mordem cabos de fibra e deixam metade de cidade do Canadá sem Internet (FOTO)
    Tags:
    web, digital, segurança digital, inclusão digital, Internet das Coisas, Internet, UFF, COVID-19, Ministério da Economia do Brasil, economia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar