03:53 21 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    121927
    Nos siga no

    Adotando tom conciliador, o presidente Jair Bolsonaro prometeu eliminar o desmatamento ilegal no Brasil até 2030 em seu discurso na Cúpula do Clima nesta quinta-feira (22).

    O presidente brasileiro prometeu também reduzir em "quase 50%" as emissões de gases estufa até esta data e fez nova previsão para zerar as emissões: o ano de 2050. A nova meta antecipa em dez anos a sinalização anterior.

    "Coincidimos, senhor presidente [Joe Biden, organizador do evento], com seu chamado ao estabelecimento de compromissos ambiciosos. Nesse sentido, determinei que nossa neutralidade climática seja alcançada até 2050, antecipando em dez anos a sinalização anterior. [...] Há que se reconhecer que será uma tarefa complexa", afirmou Jair Bolsonaro.

    Bolsonaro falou em valorizar a biodiversidade brasileira e conclamou a contribuição da comunidade internacional para que o Brasil atinja seus objetivos, pedindo recursos de empresas, entidades e outros países para "a solução destes problemas". O presidente prometeu também dobrar o orçamento de órgãos ambientais brasileiros.

    "Produzimos uma revolução verde a partir da ciência e da inovação", disse o presidente brasileiro.

    Bolsonaro falou depois de nomes como os do presidente russo Vladimir Putin, do presidente francês Emmanuel Macron, do primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, do primeiro-ministro canadense Justin Trudeau, e do presidente norte-americano, Joe Biden, organizador do evento.

    "Contem com o Brasil", disse Bolsonaro, ao finalizar sua participação.

    O ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, esteve ao lado de Bolsonaro durante o discurso.

    Cúpula de Líderes sobre o Clima.

    A Cúpula do Clima, que conta com representantes de 40 países, começou nesta quinta-feira (22) e será encerrada nesta sexta-feira (23). A intenção de Biden é formar um consenso e instigar os países a traçarem metas mais ambiciosas para discussão na 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática de 2021, que acontece em novembro, no Reino Unido.

    Os líderes mundiais pretendem limitar o aquecimento global a 1,5ºC acima dos níveis pré-industriais, um limite que os cientistas estimam que pode prevenir os piores impactos das mudanças climáticas.

    Mais:

    Crítico da Amazônia, projeto de Macron sobre o clima é alvo de reclamações na França
    Em conversações no Alasca, China e EUA acordam em criar grupo de trabalho bilateral para clima
    Às vésperas da Cúpula do Clima, Bolsonaro faz promessas 'mentirosas' aos EUA, diz especialista
    Blinken diz que EUA estão ficando 'atrás da China' em oportunidades comerciais relativas ao clima
    Tags:
    gases de efeito estufa, efeito estufa, meio ambiente, clima, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar