15:21 11 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Situação da COVID-19 em meados de abril no Brasil (74)
    281
    Nos siga no

    Em reunião na Organização Mundial do Comércio (OMC), o Itamaraty deixou claro que é contra a quebra de patentes de vacinas contra a COVID-19. Especialista ouvido pela Sputnik explicou as complexidades do assunto, mas foi sucinto: "Ou pensamos no lucro, ou na vida".

    Leonardo Trevisan, professor de Relações Internacionais da ESPM de São Paulo, disse em entrevista à Sputnik Brasil ter ficado "bastante surpreso" com o posicionamento da diplomacia do Brasil com relação à quebra das patentes das vacinas contra o coronavírus. 

    Ontem (14), em um encontro na Organização Mundial do Comércio, ao lado de algumas das maiores economias do mundo, empresas farmacêuticas e especialistas, o governo brasileiro defendeu que as patentes de vacinas precisam ser preservadas, apesar da crise pandêmica que se arrasta pelo mundo.

    Entrada para a sede da OMC em Genebra, Suiça (foto de arquivo)
    © AP Photo / Fabrice Coffrini
    Entrada para a sede da OMC em Genebra, Suiça (foto de arquivo)

    Seguindo o entendimento dos diplomatas norte-americanos, o Itamaraty indicou que está em busca de acordos com empresas para a transferência voluntária de tecnologia. "Os direitos de propriedade intelectual são incentivos de mercado fundamentais para a inovação e devem ser protegidos de forma sustentada", disse o embaixador Sarquis José Buainain Sarquis.

    Para compreender os efeitos desta posição assumida pelo governo de Jair Bolsonaro, a Sputnik Brasil conversou com Leonardo Trevisan. Ele falou sobre o voto da diplomacia brasileira e explicou porque a quebra de patentes com relação às vacinas contra o coronavírus precisa acontecer.

    Dois funcionários de laboratório simulam o fluxo de trabalho em uma sala limpa da produção da vacina BioNTech Corona em Marburg, Alemanha, durante um dia de mídia no sábado, 27 de março de 2021.
    © AP Photo / Michael Probst
    Dois funcionários de laboratório simulam o fluxo de trabalho em uma sala limpa da produção da vacina BioNTech Corona em Marburg, Alemanha, durante um dia de mídia no sábado, 27 de março de 2021.

    Por que é importante quebrar as patentes?

    Na reunião na OMC, o governo brasileiro respaldou os esforços da diretora-geral da entidade, Ngozi Iweala. A ideia é promover uma "terceira via" que garanta a produção em grande escala e a distribuição oportuna e equitativa de vacinas.

    O Itamaraty se disse a favor de uma "abordagem sistemática, cooperativa e pragmática para identificar e aumentar a capacidade de fabricação de vacinas, bem como promover acordos de licenciamento voluntários e a transferência acelerada de know-how, tecnologias e insumos", disse o embaixador brasileiro.

    Economista nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala durante visita à São Petersburgo, Rússia (foto de arquivo)
    © Sputnik / Ekterina Chesnokova
    Economista nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala durante visita à São Petersburgo, Rússia (foto de arquivo)
    Leonardo Trevisan explicou que a decisão em torno da quebra de patentes é complexa e evolve, em primeira analise, as prioridades de cada um: o lucro, ou a vida. "Essa escolha precisa nortear a discussão, seja governante ou o dono do laboratório", afirmou.

    Em seguida, ele disse que "é preciso lembrar quando nós analisamos uma pandemia que está beirando três milhões de mortes no mundo, que em outubro do ano passado, Índia e África do Sul fizeram uma proposta para suspender a proteção internacional da OMC sobre vacinas para facilitar a produção de imunizantes contra a COVID-19 em países pobres". Na ocasião, países desenvolvidos como os EUA, Reino Unido, Suíça, Noruega, Japão, além de países da União Europeia, foram contra a medida.

    O professor entende que os governos e laboratórios que estavam "bastante avançados na produção de vacinas, tiveram forte apoio governamental". Ele disse que é preciso lembrar que os EUA tem tamanha oferta de imunizantes em razão de uma política de Donald Trump, "que aportou dinheiro público em pesquisa de vacinas, acelerando seu processo".

    Cemitério para vítimas da COVID-19 em São Paulo.
    © AP Photo / Andre Penner
    Cemitério para vítimas da COVID-19 em São Paulo.

    Leonardo Trevisan enfatizou que "os governos devem pensar de que lado querem ficar na história. A pandemia já revelou sua impossibilidade de controle sem vacina. Precisamos ponderar: proteger proteção intelectual tem sentido, mas não na situação em que estamos".

    'A posição do Itamaraty é curiosa'

    Em seu discurso na OMC, o embaixador Sarquis José Buainain Sarquis discordou deste ponto de vista. Ele afirmou que "parcerias público-privadas de sucesso devem se tornar referências internacionais para promover vacinas como bens públicos universais". Em seguida, ele defendeu a vacinação no Brasil, e elogiou os esforços da Fiocruz e do Instituto Butantan.

    "Os acordos de licenciamento voluntário firmados pela Fiocruz e pelo Instituto Butantan dão sustentação ao Programa Nacional de Imunização", disse o embaixador. "Até agora, produzimos 25 milhões de doses de vacinas contra a COVID-19 e estamos expandindo a produção. O Instituto Butantan e a Fundação Oswaldo Cruz estão indo além, com a construção de novas e modernas instalações para a fabricação de vacinas", afirmou.

    Funcionário trabalha em laboratório da Biomanguinhos, na Fundação Oswaldo Cruz, em Manguinhos, no Rio de Janeiro (arquivo)
    © Folhapress / Rafael Andrade
    Funcionário trabalha em laboratório da Biomanguinhos, na Fundação Oswaldo Cruz, em Manguinhos, no Rio de Janeiro (arquivo)

    Leonardo Trevisan se disse surpreso com essas declarações. Para ele, havia uma perspectiva de que o Itamaraty mantivesse as tradicionais posições brasileiras, mas isso não feito. "O Brasil adotou uma posição curiosa. É uma reversão de uma posição bem tradicional do Itamaraty", comentou.

    Ele lembrou que, em 2007, enfrentando um surto de AIDS, a diplomacia brasileira exigiu junto à OMS uma licença compulsória. "Isso foi capitaneado ao lado da China, Índia e outros 70 países para que essa licença acontecesse". A ideia, explicou Trevisan, "é que em emergências sociais, como no caso da COVID-19, haja uma licença compulsória", que quebra barreiras de patentes. 

    O caso ao qual o especialista da ESPM se refere aconteceu no momento em que o Brasil enfrentou um grave surto do vírus HIV, que causa a AIDS. Ele recordou que empresas farmacêuticas e laboratórios ameaçaram boicote ao Brasil, mas nenhum deles de fato se retirou, "mesmo após o uso da licença compulsória em 2007 e a quebra das patentes".

    Paciente da COVID-19 aguarda transporte durante evento de vacinação comunitária em Martinsburg, Virgínia Ocidental, EUA, 11 de março de 2021
    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Paciente da COVID-19 aguarda transporte durante evento de vacinação comunitária em Martinsburg, Virgínia Ocidental, EUA, 11 de março de 2021

    'As vacinas são para ontem'

    Para Leonardo Trevisan, o ponto mais sensível nesta discussão sobre a quebra de patentes é a disponibilidade das vacinas. "Ela não pode ficar restrita a países ricos que podem comprar essas doses", disse o professor.

    Segundo ele, "há uma compreensão bastante consolidada entre epidemiologistas de que enfrentar a COVID-19 não é um caso único. As sucessivas ondas e novas cepas provam que há a necessidade de uma cobertura vacinal de caráter internacional". É por esta razão, defende o especialista, que é preciso haver a quebra de patentes. "Ou pensamos no lucro, ou na vida", enfatizou.

    Funcionárias trabalham na inspeção visual da linha de produção da vacina CoronaVac, no Instituto Butantan, em São Paulo (SP).
    © Folhapress / Eduardo Anizelli
    Funcionárias trabalham na inspeção visual da linha de produção da vacina CoronaVac, no Instituto Butantan, em São Paulo (SP).
    Durante a reunião da OMC, o governo dos EUA rejeitou a possibilidade de quebra de patentes. Os diplomatas norte-americanos insistiram que, neste momento de crise, tanto governos como o setor privado terão de fazer sua parte. Joe Biden também admitiu que a distribuição (dos imunizantes) não estava ocorrendo da forma correta.

    O professor Leonardo Trevisan criticou essa postura, que também foi partilhada pelo diplomata do Brasil, e disse que é preciso entender que "o sistema que produziu essas vacinas é uma tecnologia bastante conhecida e disponível. A questão não está no repasse da proteção intelectual exclusiva, mas na perspectiva de lucro em escala". 

    O especialista comentou que, ante as incertezas da pandemia, como a eficácia das vacinas quanto à transmissibilidade, e, em especial, "uma vez que não há nenhuma certeza se a cobertura vacinal precisa ser anualizada, repetida todos os anos", a produção da vacina em países pobres abre espaço para uma cobertura vacinal mais estendida.

    "É essa expectativa de lucro, com uma cobertura maior e repetida, que está na origem de uma proteção tão acirrada da propriedade intelectual", concluiu.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Situação da COVID-19 em meados de abril no Brasil (74)

    Mais:

    Brasil passa de 362 mil mortes por COVID-19 e chega ao 5º dia com média de óbitos acima de 3 mil
    Índia registra 200 mil casos de COVID-19 em 24h e bate recorde de infecções
    COVID-19: nossa vacina não tem casos de coágulos sanguíneos, diz fabricante chinesa CanSinoBIO
    Tags:
    patente, patentes, pandemia, COVID-19, vacinação, vacina, lucro, Organização Mundial do Comércio, OMC, OMS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar