05:52 15 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    68714
    Nos siga no

    O plenário do Supremo Tribunal Federal decidiu manter nesta quinta-feira (15) a anulação das condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no âmbito da Lava Jato.

    Um dia depois de o Supremo decidir que caberia ao plenário da corte votar sobre a decisão do ministro Edson Fachin, o tribunal realizou uma sessão nesta quinta-feira (15) para os demais ministros se posicionarem sobre o caso. Com o placar final de 8 a 3, está mantida a decisão de Fachin, que restabelece os direitos políticos do ex-chefe de Estado, habilitando-o, portanto, a disputar a corrida pela presidência da República em 2022. 

    Ex-presidente Lula toma 2ª dose da vacina contra a COVID-19 usando a máscara de proteção com a logo do Partido dos Trabalhadores, demonstrando sua união intensa com o partido, São Bernardo do Campo, São Paulo, em 3 de abril de 2021
    Ex-presidente Lula toma 2ª dose da vacina contra a COVID-19 usando a máscara de proteção com a logo do Partido dos Trabalhadores, demonstrando sua união intensa com o partido, São Bernardo do Campo, São Paulo, em 3 de abril de 2021

    No dia 8 de março, o ministro Fachin anunciou a anulação das condenações do ex-presidente na Lava Jato por considerar que a 13ª Vara Federal de Curitiba, então comandada pelo ex-juiz Sergio Moro, não tinha competência para julgar esses casos. A decisão foi uma resposta a uma ação impetrada pela defesa do ex-presidente no final do ano passado.

    A votação de hoje (15) teve como base um recurso apresentado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) para tentar reverter a anulação decretada por Fachin. Três ministros votaram pela aceitação desse recurso: Nunes Marques, Marco Aurélio Mello e Luiz Fux. Rejeitaram o recurso os ministros Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia, Luís Roberto Barroso e o próprio Fachin.

    Na próxima quinta-feira (22), ocorrerá a apreciação da suspeição de Sergio Moro, já julgada pela Segunda Turma do STF, que considerou parcial sua atuação nos julgamentos de Lula. 

    Mais:

    Advogados de Lula pedem que STF declare suspeição de Moro em outras 2 ações
    Ciro pede que Lula não seja candidato em prol de aliança contra Bolsonaro
    Lula pede desculpas ao povo italiano por não ter extraditado Cesare Battisti
    'Lula ligou para me felicitar pelo resultado judicial', diz ex-premiê português José Sócrates
    Tags:
    Curitiba, anulação, Lava Jato, Sergio Moro, Edson Fachin, Luiz Inácio Lula da Silva, Lula, STF, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar