15:05 30 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Por
    Situação da COVID-19 em meados de abril no Brasil (74)
    5102
    Nos siga no

    Só em 2020, a expectativa de vida dos brasileiros caiu dois anos – a principal responsável pela queda, claro, é a pandemia de COVID-19. A estimativa era que a expectativa chegasse a 77 anos em 2020, mas deve ficar em 75.

    É o que aponta um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais em conjunto com acadêmicos de Harvard, Princeton e Universidade do Sul da Califórnia. A prévia da pesquisa – que ainda precisa passar pelo crivo de outros pesquisadores – foi publicada em 9 de abril.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, Leonardo Bastos, que é estatístico, pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e membro do Observatório COVID-19 Brasil, afirma que expectativas de vida só caem em ocasiões de eventos muito significativos, como guerras.

    Em países europeus, por exemplo, a expectativa de vida teve queda em dois momentos principais, que coincidem com as duas guerras mundiais. Junto com a Primeira Guerra Mundial, houve também a pandemia de gripe espanhola.

    Os números atuais no Brasil, portanto, são comparáveis com os das guerras. Países como os Países Baixos e a então Tchecoslováquia – ambos invadidos pela Alemanha nazista – somam respectivamente 301 mil e 345 mil mortes na Segunda Guerra. O Brasil já tem mais de 362 mil mortes pela COVID-19.

    "Então o que a gente está vendo agora é algo comparável com uma guerra. É horrível falar isso, mas é a verdade. A expectativa de vida está caindo, e deve ficar ainda pior, porque o estudo considera apenas 2020. [...] A gente não vai ver uma queda na expectativa de vida na Nova Zelândia. É certo que isso não vai acontecer. Enquanto aqui já está acontecendo. E vai cair mais", afirma Bastos.
    Paciente com COVID-19 é atendido em UTI em hospital de Araraquara, interior de São Paulo.
    © Folhapress / Rubens Cavallari
    Paciente com COVID-19 é atendido em UTI em hospital de Araraquara, interior de São Paulo.

    Segundo o especialista, a queda pode ser ainda maior do que a indicada pelo estudo: a pesquisa considera apenas as mortes causadas pela COVID-19. Bastos explica que, além dos óbitos com outras causas, que naturalmente continuam acontecendo, muitas outras mortes que poderiam ter sido evitadas em uma situação de normalidade acabam acontecendo em virtude do colapso do sistema de saúde.

    "Em um acidente de trânsito, por exemplo, a pessoa vai para o hospital e não consegue ter o melhor atendimento porque o hospital está lotado. E aí aquele óbito que seria totalmente evitável em 2019, agora em 2021 já não é tão evitável assim. […] A gente provavelmente vai observar um aumento da mortalidade extra-COVID-19, que vai impactar nesta expectativa, fazendo com que ela fique menor ainda", diz Bastos.

    De acordo com números do Conselho Nacional de Secretários de Saúde, o Brasil teve 275 mil mortes acima do esperado em 2020. O total de mortes pela COVID-19 no ano foi 194.949. As cidades do Rio de Janeiro e Porto Alegre registraram mais mortes que nascimentos, um cenário inédito nos registros da ARPEN (Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais).

    Imagem registrada na Av. conde da Boa vista, centro do Recife, mostra aglomeração de pessoas em meio à pandemia da COVID-19.
    © Folhapress / Veetmano Prem /Fotoarena
    Imagem registrada na Av. conde da Boa vista, centro do Recife, mostra aglomeração de pessoas em meio à pandemia da COVID-19.

    Os números de 2020 não são bons, mas a projeção para 2021 também não é animadora. Nos primeiros meses do ano, a taxa de mortalidade pela COVID-19 subiu consideravelmente. Somados, os óbitos de janeiro (29.558 mortes), fevereiro (30.484) e março (66.868) totalizam 126.910 mortes. Este número é 37,6% maior que os 92.174 óbitos da soma das mortes de junho (30.315), julho (32.912) e agosto (28.947) – os meses de 2020 com mais óbitos pela COVID-19 no Brasil.

    "Se nada for feito, como não tem sido feito, 2021 tem tudo para ser pior que 2020", avalia o especialista.

    O que também deve cair na esteira da expectativa de vida é o IDH (índice de desenvolvimento humano) brasileiro. Além da própria expectativa de vida, que é considerada para avaliar o IDH, o Brasil teve também um aumento da pobreza nos últimos meses. Atualmente, 39,9 milhões de pessoas no Brasil vivem em condição de miséria: ou seja, têm renda de até R$ 89 por mês. Além destas, 2,8 milhões de famílias brasileiras em situação de pobreza em outubro, com renda per capita média entre R$ 90 e R$ 178 por mês.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Situação da COVID-19 em meados de abril no Brasil (74)

    Mais:

    Estudo brasileiro indica que casos brandos de COVID-19 podem não impedir reinfecção
    Negligência e negacionismo com COVID-19 isolam Brasil na comunidade internacional, diz especialista
    Médicos de Goiânia são pressionados a receitar 'kit COVID-19', diz jornal
    MSF: Brasil vive 'catástrofe humanitária' por falha na resposta à COVID-19
    Tags:
    guerra, números, novo coronavírus, Índice de Desenvolvimento Humano, IDH, expectativa de vida, Brasil, mortes, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar