06:35 10 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Situação da COVID-19 em meados de abril no Brasil (74)
    0 41
    Nos siga no

    O Ministério Público Federal (MPF) do Amazonas denunciou, nesta terça-feira (13), o ex-ministro da Saúde, o general Eduardo Pazuello, e o secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campêlo, por improbidade administrativa.

    Além de Pazuello e Campêlo, a ação apresentada à Justiça Federal no Amazonas inclui três secretários do Ministério da Saúde Mayra Isabel Correia Pinheiro, Luiz Otávio Franco Duarte e Hélio Angotti Neto; e o coordenador do Comitê de Crise do Amazonas, Francisco Ferreira Máximo Filho. As informações foram publicadas em nota pelo próprio MPF nesta quarta-feira (14).

    A ação investiga se houve omissão dos agentes públicos entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021, período em que foi registrado o desabastecimento no fornecimento de oxigênio para pacientes com COVID-19.

    "O que se viu foi uma série de ações e omissões ilícitas que, somadas, violaram esses deveres e contribuíram para o descontrole da gestão da pandemia no Amazonas, com o colapso do fornecimento de oxigênio e decorrente óbito por asfixia de pacientes internados", escreveu o MPF.
    Parentes de pacientes internados em hospitais com COVID-19 fazem fila para recarregar cilindros de oxigênio na frente da empresa Nitron da Amazônia, no Distrito Industrial II de Manaus (AM)
    © Folhapress / Sandro Pereira
    Parentes de pacientes internados em hospitais com COVID-19 fazem fila para recarregar cilindros de oxigênio na frente da empresa Nitron da Amazônia, no Distrito Industrial II de Manaus (AM)

    De acordo com o órgão, as autoridades federais e estaduais deveriam ter elaborado e posto em prática, de modo coordenado, diligente e eficiente, planos de contingência para novas ondas de contaminação, contemplando possíveis soluções a serem implementadas rapidamente em caso de novos colapsos no sistema de saúde ou de desabastecimento de insumos.

    Outras atitudes identificadas pelo MPF como atos de improbidade administrativa estão a realização de pressão para utilização de "tratamento precoce"; demora na adoção de medidas para transferência de pacientes que aguardavam leitos; e ausência de medidas de estímulo ao isolamento social.

    Tema:
    Situação da COVID-19 em meados de abril no Brasil (74)

    Mais:

    Desmatamento na Amazônia bate recorde histórico em março
    Ministério da Saúde anuncia que receberá 2 milhões de doses a mais de vacinas Pfizer
    Com época de seca à vista, especialistas veem 'tendência desastrosa' para a Amazônia em 2021
    Ministros do STF confirmam decisão de Barroso que determinou instalação da CPI da Pandemia
    Tags:
    Ministério Público Federal, mortes, Amazonas, novo coronavírus, pandemia, Brasil, Ministério da Saúde, Eduardo Pazuello, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar