23:29 10 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    4127
    Nos siga no

    A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), derrubou, nesta segunda-feira (12), trechos de quatro decretos sobre porte e posse de armas editados pelo presidente Jair Bolsonaro em fevereiro.

    Na decisão, conforme publicado pelo G1, a magistrada suspendeu a possibilidade de aumentar de dois para seis o limite de armas de fogo que o cidadão comum pode adquirir, mesmo que preencha os requisitos necessários para obtenção do Certificado de Registro de Arma de Fogo.

    Em outro trecho, Weber impediu a permissão dada por Bolsonaro a policiais, agentes prisionais e membros do Ministério Público e de tribunais para comprar duas armas de fogo de uso restrito, além das seis já permitidas.

    Outro decreto presidencial ampliaria os limites para compras de armas e munição para caçadores, atiradores e colecionadores. A ministra também vetou este trecho.

    Homem aprende técnica de disparo de arma de fogo.
    © Folhapress / Victor Parolin
    Homem aprende técnica de disparo de arma de fogo.

    Os textos, que passam a valer a partir desta terça-feira (13), são uma nova regulamentação do Estatuto do Desarmamento, aprovado em 2003.

    Os decretos foram anunciados pelo governo às vésperas do Carnaval, no 12 de fevereiro, e as mudanças não passaram pela análise do Congresso Nacional.

    Rosa Weber determinou que o tema ainda seja discutido pelo plenário do Supremo, que pode validar ou rejeitar as decisões da ministra. A data de julgamento será definida pelo presidente da Corte, Luiz Fux.

    Mais:

    STF rebate Bolsonaro e diz que decisões seguem a Constituição
    Governo do Maranhão aciona STF para que Anvisa autorize importação e uso emergencial da Sputnik V
    Fux antecipa para 4ª feira análise do plenário do STF sobre CPI da pandemia
    Tags:
    porte de armas, posse de armas, Jair Bolsonaro, decretos, armas de fogo, tribunal, Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar