11:30 17 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 12
    Nos siga no

    O vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Jorge Mussi, anunciou nesta sexta-feira (9) que rejeitou o recurso da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra a decisão da Quinta Turma que anulou as quebras de sigilos do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

    A PGR tentava levar a discussão sobre a validade dos documentos obtidos ao Supremo Tribunal Federal (STF). No recurso, o subprocurador-geral Roberto Luis Oppermann Thomé, que atua no STJ, escreveu que não houve ilegalidade nas decisões de primeira instância que autorizaram a quebra dos sigilos de Flávio Bolsonaro. As informações foram publicadas pelo portal G1.

    Os materiais obtidos na quebra de sigilo contra o filho do presidente Jair Bolsonaro faziam parte da apuração do caso das rachadinhas na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

    ​A PGR defende, portanto, que os dados sejam utilizados na apuração do caso. Na decisão desta sexta-feira (9), Mussi não analisou essa questão, mas sim, se havia algum impedimento constitucional que justificasse enviar o caso ao STF. Jorge Mussi avaliou que não havia e, com base nisso, rejeitou a admissibilidade do recurso.

    Em fevereiro, por quatro votos a um, a Quinta Turma do STJ anulou a quebra dos sigilos bancário e fiscal de Flávio Bolsonaro. O procedimento foi autorizado em abril e junho de 2019 pelo juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal do Rio de Janeiro.

    Mais:

    Lula pede desculpas ao povo italiano por não ter extraditado Cesare Battisti
    Desmatamento na Amazônia bate recorde histórico em março
    Pacheco critica Bolsonaro e diz que não moverá '1 milímetro' para atrapalhar CPI
    Brasil registra 3.647 novas mortes por COVID-19 e total de óbitos se aproxima de 350 mil
    'Brasil precisa investir mais e de forma contínua em biotecnologia', alerta virologista
    Tags:
    Brasil, Flávio Bolsonaro, Rachadinha, Superior Tribunal de Justiça, STJ, corrupção, Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar