15:27 16 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2021 (87)
    0 51
    Nos siga no

    O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), em Brasília, decidiu suspender nesta quarta-feira (7) todas as decisões judiciais que autorizaram entidades a comprar vacinas contra a COVID-19 sem precisar doar integralmente para a União.

    A decisão foi tomada pelo presidente do TRF-1, Ítalo Fioravanti Mendes, e atendeu a um pedido da Advocacia-Geral da União (AGU). As informações foram publicadas pelo portal G1.

    Segundo a legislação atual, empresas podem comprar doses da vacina contra o novo coronavírus, mas devem doar o lote integralmente ao Sistema Único de Saúde (SUS) até que o governo federal termine de vacinar os grupos prioritários.

    ​A AGU havia questionado a Justiça Federal em Brasília após juízes autorizarem entidades a comprar imunizantes no Distrito Federal, de Minas Gerais e de São Paulo sem a doação.

    A lista de grupos prioritários é definida pelo Plano Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde, e é formada por 77 milhões de pessoas.

    A decisão ocorre no dia seguinte da Câmara dos Deputados concluir votação do projeto que autoriza empresas a comprar vacinas contra a COVID-19 para imunizar os funcionários. Os deputados votaram por retirar a exigência de que as empresas só possam começar a vacinação após a imunização dos grupos prioritários.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2021 (87)

    Mais:

    FMI quer 'imposto solidário' sobre empresas que apresentaram lucros substanciais na pandemia
    UFMG descobre 'possível nova variante' do coronavírus com 18 mutações em Belo Horizonte
    'Orçamento não deve ser sancionado, ou Bolsonaro poderá sofrer um impeachment', alerta economista
    Bolsonaro diz que pode mudar política de preços de combustíveis da Petrobras
    Tags:
    Brasília, Tribunal Regional Federal da 1ª Região, imunização, vacinação, vacina, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar