21:24 22 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 11
    Nos siga no

    As agências da Caixa Econômica Federal registraram filas em diversas cidades brasileiras mesmo sem autorização para saque do auxílio emergencial nesta terça-feira (6). Saques e transferências começam só no dia 4 de maio.

    A confusão sobre o saque do auxílio emergencial aconteceu nesta terça-feira (6), data em que trabalhadores nascidos em janeiro e registrados no Cadastro Único recebem os valores apenas via site e aplicativo. Diversas agências da Caixa Econômica Federal no Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Pernambuco registraram longas filas de pessoas na intenção de sacar o auxílio.

    No entanto, o dinheiro liberado foi depositado apenas nas contas digitais. Saques e transferências só serão possíveis a partir do dia 4 de maio, segundo informativo do governo federal. O pagamento do benefício é feito em quatro parcelas, com valores de acordo com o perfil do beneficiário. O valor médio é de R$ 250, mas pode variar de R$ 150 a R$ 350.

    Para saber o valor do benefício, os trabalhadores devem verificar através do aplicativo do auxílio emergencial, pelo site da Caixa ou da Dataprev. Cerca de 2,36 milhões de famílias devem receber o auxílio neste ano.

    O pagamento da nova rodada do auxílio emergencial está sendo feita diretamente em conta poupança digital da Caixa, que pode ser movimentada, por enquanto, apenas pelo aplicativo Caixa TEM. Os recursos ainda não podem ser retirados nas agências. Também não é possível mais se cadastrar para receber o benefício.

    Mais:

    Novo auxílio emergencial ficará entre R$ 175 e R$ 375, diz Guedes
    Câmara aprova texto-base de proposta que viabiliza auxílio emergencial
    PEC Cavalo de Troia? Congresso usa auxílio emergencial para reduzir direitos, diz especialista
    Paes anuncia auxílio emergencial e fala sobre a polêmica dos hospitais de campanha no Rio
    Tags:
    saques, digital, agência, auxílio, Caixa Econômica Federal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar