10:02 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2021 (87)
    264
    Nos siga no

    O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou hoje (3) que avaliou em conversa com diretor da OMS a possibilidade de adaptar fábricas brasileiras de vacinas para animais para produzir imunizantes contra a COVID-19.

    Em uma entrevista coletiva neste sábado (3), Queiroga respondeu às perguntas do jornalistas ao lado da diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) no Brasil, Socorro Gros, sobre a reunião ocorrida entre eles e o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

    De acordo com o ministro da Saúde, um dos temas abordados na conversa com Tedros foi como garantir o acesso a mais vacinas nos próximos três meses. Segundo Queiroga, além da produção que já está em andamento nas fábricas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Instituto Butantan, será feita uma análise técnica para adequar as fábricas de vacinas animais para produzir doses para humanos.

    Além disso, o ministro assinalou que o uso dessas fábricas de produtos veterinários contribuiria para o aumento da capacidade de vacinação no Brasil e também permitiria que o país, futuramente, oferecesse doses para outras nações.

    "Verificar a adequação dos parques industriais que produzem vacinas animais, para utilizar esses parques para produzir vacinas em humanos, não só para abastecer o mercado interno e ampliar a nossa capacidade de vacinação, mas também para que o Brasil, [...] em breve [...], [possa] oferecer vacinas para outros países na América Latina", disse Queiroga.

    O ministro destacou que a prioridade do governo, no momento, é ampliar a campanha de vacinação, e ressaltou que a falta de vacinas não é um problema exclusivo do Brasil, pois, segundo ele, diversos países estão tendo dificuldade para adquirir os imunizantes, inclusive algumas nações desenvolvidas.

    Nesse sentido, Queiroga afirmou que o Brasil tem 30 milhões de doses garantidas para o mês de abril, o que permite que o governo continue aplicando cerca de um milhão de doses por dia.

    "O primeiro objetivo é em abril conseguir permanecer todos os dias com um milhão de doses", afirmou o ministro. Esse número, no entanto, só foi atingido uma vez, no dia 1º de abril.

    Além disso, Queiroga falou sobre as negociações que o governo está fazendo para aumentar a capacidade de produção de vacinas. O ministro relatou que a Fiocruz tem conversado com a AstraZeneca para iniciar a produção do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), uma das principais matérias-primas para a fabricação da vacina, em território nacional, e que o governo está negociando junto à Embaixada da China para também ampliar a disponibilidade do IFA importado do país asiático.

    "Temos negociado fortemente com a Embaixada da China, que tem relação boa e forte com o Brasil", assinalou.

    O titular da Saúde também falou sobre uma reunião que manteve com o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, na qual discutiram a participação das Forças Armadas para acelerar o ritmo da vacinação. 

    "Por determinação do presidente, que está pessoalmente empenhado, [...] teremos apoio das Forças Armadas na logística, e com o corpo técnico da área da saúde, ajudando estados e municípios a vacinar de maneira efetiva", disse Queiroga.
    Tema:
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2021 (87)

    Mais:

    Fazer diferente é 'seguir as recomendações da ciência', diz Marcelo Queiroga
    Queiroga escolhe médico anticloroquina para comandar procotolo contra a COVID-19 no Brasil
    Queiroga promete 11 milhões de vacinas para a próxima semana
    Tags:
    vacinação, COVID-19, Ministro da Saúde, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar