08:16 18 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    5729
    Nos siga no

    Por meio do Twitter, o vice-presidente Hamilton Mourão comemorou nesta quarta-feira (31) o golpe militar de 1964, que instaurou uma ditadura no Brasil. 

    O dia 31 de março marca o início dos acontecimentos que levaram à deposição do então presidente João Goulart e o início do regime militar no país. 

    Segundo Mourão, a "população brasileira", com "apoio das Forças Armadas", "impediu" que o comunismo "fincasse tenazes no Brasil".

    ​Mais cedo, Mourão comentou sobre a demissão dos comandantes das Forças Armadas, que se seguiu à saída de Fernando Azevedo e Silva do Ministério da Defesa. Em declaração à imprensa, o vice garantiu que o princípio da "legalidade" seria respeitado. 

    Ordem do Dia

    Em seu primeiro ato público como ministro da Defesa, Walter Braga Netto publicou na terça-feira (30) uma ordem do dia celebrando o aniversário de 57 anos do golpe militar de 1964. 

    "Os brasileiros perceberam a emergência e se movimentaram nas ruas, com amplo apoio da imprensa, de lideranças políticas, das igrejas, do segmento empresarial, de diversos setores da sociedade organizada e das Forças Armadas, interrompendo a escalada conflitiva, resultando no chamado movimento de 31 de março de 1964", diz a ordem do dia. 

    Braga Netto conclui dizendo que o movimento de 1964 é "parte da trajetória histórica do Brasil" e que "assim devem ser compreendidos e celebrados os acontecimentos daquele 31 de março".

    Esse é o terceiro ano consecutivo em que há ordem do dia alusiva ao golpe de 64 com textos semelhantes. No ano passado, o então ministro Fernando Azevedo e Silva afirmou que o golpe tinha sido um "marco para a democracia brasileira".

    Mais:

    Mourão sobre Ministério da Saúde: 'Difícil alguém consertar tudo'
    Presidente é responsável por tudo o que aconteça, diz Mourão
    Mourão toma 1ª dose de vacina contra a COVID-19: 'Fiz minha parte como cidadão consciente'
    Tags:
    Antonio Hamilton Mourão, General Braga Netto, Golpe de 64, ditadura, comunismo, Fernando Azevedo e Silva, João Goulart
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar