22:30 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    3310
    Nos siga no

    O ministro-chefe da Advocacia Geral da União (AGU), José Levi, entregou ao presidente Jair Bolsonaro uma carta de demissão nesta segunda-feira (29).

    Depois de Ernesto Araújo (Ministério das Relações Exteriores) e de Fernando Azevedo e Silva (Ministério da Defesa), Levi é o terceiro a perder o cargo nas mudanças que Jair Bolsonaro está promovendo no governo nesta segunda-feira (29).

    "Com o meu mais elevado agradecimento pela oportunidade de chefiar a Advocacia-Geral da União, submeto à elevada consideração de Vossa Excelência o meu pedido de exoneração do cargo de Advogado-Geral da União", diz a carta de exoneração de Levi, publicada pelo site Poder360.

    Um dos motivos para a saída de Levi foi a recusa em apoiar Jair Bolsonaro na ação direta de inconstitucionalidade que o presidente propôs ao STF (Supremo Tribunal Federal) contra três estados que haviam implementado toque de recolher.

    Além disso, Levi estaria se queixando das posições do governo no combate à pandemia e na forma de lidar com a crise politica.

    André Mendonça foi visto no Palácio do Planalto, em reunião com Bolsonaro, horas depois da demissão de Levi. De acordo com a Época, Mendonça, que é o atual ministro da Justiça e ex-advogado-geral da União, deve ocupar o lugar de Levi.

    O presidente Jair Bolsonaro trocou o comando de seis ministérios na segunda-feira dia 29 de março de 2021
    O presidente Jair Bolsonaro trocou o comando de seis ministérios na segunda-feira dia 29 de março de 2021

    Outras saídas

    Mais cedo nesta segunda-feira (29), o chanceler Ernesto Araújo pediu demissão e deixou o Ministério das Relações Exteriores. O pedido de Araújo foi feito após uma grande pressão no Congresso Nacional pela troca do chanceler brasileiro, inclusive dos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Ainda não se sabe quem ocupará a pasta.

    Logo depois, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, foi o segundo ministro a deixar o cargo nesta segunda-feira (29). Em nota oficial, Azevedo e Silva agradeceu ao presidente da República e disse sair na "certeza da missão cumprida" durante o exercício do cargo. O motivo para a saída do ministro e o novo nome a ocupar a pasta da Defesa ainda não foram revelados. 

    Mais:

    Pacheco abre investigação sobre suposto gesto supremacista de assessor de Bolsonaro (VÍDEOS)
    Um dia após criação de comitê para enfrentar pandemia, Bolsonaro critica isolamento
    Procura-se novo chanceler: rumores da saída irreversível de Ernesto Araújo inquietam bolsonaristas
    Em cúpula de 30 anos do Mercosul, Bolsonaro critica regra de consenso nas decisões
    Tags:
    Fernando Azevedo e Silva, Ernesto Araújo, política, Jair Bolsonaro, Brasília, ministérios, Advocacia-Geral da União, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar