11:19 06 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no final de março de 2021 no Brasil (116)
    216
    Nos siga no

    Às vésperas do colapso da saúde em Manaus, o Ministério da Saúde retirou cilindros de oxigênio de lista de isenção de taxa de importação, enquanto manteve a cloroquina e a ivermectina. 

    Implementada em 24 de dezembro, a medida foi revertida em janeiro, após hospitais da cidade ficaram sem oxigênio para pacientes da COVID-19, o que causou aumento de mortes causadas pela doença. 

    A informação foi revelada pela agência de dados Fiquem Sabendo, a partir de documentos obtidos pela Lei de Acesso à Informação (LAI). Na quinta-feira (25), o governo federal disse que o fornecimento de oxigênio para hospitais é um dos principais problemas da pasta atualmente.

    Ao mesmo tempo em que tirou os cilindros da lista, o Ministério da Saúde pediu a manutenção do benefício para a importação de cloroquina e ivermectina. O presidente Jair Bolsonaro defende o tratamento precoce para o coronavírus com os medicamentos. As substâncias, porém, não têm eficácia comprovada em nenhuma etapa do tratamento contra a COVID-19. 

    Lista criada em abril

    A retirada da isenção dos cilindros foi um pedido do Ministério da Saúde à pasta de Economia. O aumento da alíquota de importação foi feito pelo Comitê Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior (Camex), vinculado ao Ministério da Economia.

    Em abril de 2020, o governo reduziu a zero a tarifa de uma série de produtos para enfrentamento da COVID-19, entre eles os cilindros de oxigênio. A redução valia até 31 de dezembro. 

    No mês de dezembro, a pasta da Saúde chegou a pedir a prorrogação das isenções, mas o Ministério da Economia solicitou uma revisão dos produtos que constavam na lista de isenção. 

    Foi então que o Ministério da Saúde enviou relação de produtos que deveriam continuar com alíquota zero, que incluía a cloroquina e a ivermectina, mas excluía os cilindros. A revogação durou até a primeira quinzena de janeiro, quando, diante da crise em Manaus, o governo se viu pressionado a reduzir as tarifas para o oxigênio.

    Tema:
    COVID-19 no final de março de 2021 no Brasil (116)

    Mais:

    Variante brasileira do coronavírus atinge 64% dos casos de São Paulo
    AstraZeneca: quais países interromperam e quais retomaram o uso da vacina?
    Custo de produção da ButanVac é baixo e Brasil ainda pode exportar a vacina, afirma imunologista
    Tags:
    tratamento, COVID-19, Jair Bolsonaro, oxigênio, Hidroxicloroquina, Manaus, pandemia, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar